ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Começa leilão de energia nova A-4 operacionalizado pela CCEE

Luciana Collet

São Paulo

04/04/2018 10h19

Começou na manhã desta quarta-feira, 4, o 27º leilão de Energia Nova A-4, que negociará energia para ser fornecida daqui a quatro anos, a partir de janeiro de 2022. O leilão é operacionalizado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), por meio de sistema eletrônico.

Na etapa inicial, com previsão de duração de dez minutos, os empreendedores cadastrados apresentarão seus lances iniciais e informarão a quantidade de energia ofertada. Neste momento, os empreendimentos também disputam a conexão com a rede de transmissão, em particular nas áreas onde há restrições de escoamento.

Em seguida terá início a etapa contínua, em que os proponentes irão apresentar novos lances, até o fechamento do leilão.

Tendo em vista o grande número de projetos cadastrados, a expectativa é de uma forte competição. Ao todo, foram cadastrados 1,672 mil projetos junto à Empresa de Pesquisa Energética (EPE), totalizando 48.713 MW de capacidade instalada.

O certame negociará Contratos de Comercialização de Energia no Ambiente Regulado (CCEARs) nas modalidades quantidade e disponibilidade. Na modalidade por quantidade, será contratada energia proveniente de empreendimentos hidrelétricos, com prazo de suprimento de 30 anos. Já na modalidade por disponibilidade, serão contratados empreendimentos eólicos, fotovoltaicos e termelétricos a biomassa, com prazo de 20 anos.

Serão aceitas propostas para quatro produtos distintos: um produto por quantidade, ao preço máximo de R$ 291/MWh, e três por disponibilidade: um para fonte eólica (R$ 255/MWh), outro para o qual disputarão as fontes termoelétrica a biomassa (R$ 329,00/MWh) e um terceiro produto para a fonte solar, com preços iniciais em R$ 312,00/MWh.

Os vencedores firmarão contratos de fornecimento com as concessionárias de distribuição de energia elétrica, que participam do certame, como compradoras, a fim de suprir a demanda de seus mercados.

Mais Economia