ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

EPE: preço do A-4 surpreende e contribui para modicidade tarifária

Luciana Collet

São Paulo

04/04/2018 19h26

Os preços praticados no leilão de energia nova A-4, realizado na manhã desta quarta-feira, 4, pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) surpreenderam o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Luiz Augusto Barroso. Em entrevista ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, ele salientou que a energia contratada, com um deságio médio de 59,7% em relação ao preço teto estabelecido, deve contribuir para a modicidade tarifária e ainda corroboram com a visão de que as fontes renováveis alcançaram um amadurecimento que permitirá uma mudança no modelo de contratação, como pretende a gestão atual do governo.

"Fecha com chave de ouro a gestão do ministro", acrescentou Barroso, referindo-se ao fato de que o titular do Ministério de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, deve deixar o cargo até a próxima sexta-feira para disputar as eleições de outubro. O leilão contratou 298,7 MW médios de energia proveniente de 39 empreendimentos, em sua maioria (29) projetos fotovoltaicos. O preço médio dessa fonte no certame foi de R$ 118,07/MWh, o que corresponde a um deságio de 62% em relação ao valor máximo estabelecido. Foram contratados 4 parques solares, a um preço médio de R$ 67,6/MWh, um desconto de 73,5% ante o preço-teto para a fonte.

Barroso salientou que o preço dessas duas fontes em dólares - US$ 35/MWh solar e US$ 20/MWh eólico - ficou em linha com o que vem sendo observado no mercado internacional, o que demonstra que a fonte no Brasil alcançou maturidade. "Amadurecimento das fontes permite uniformizar e dar mais isonomia entre tecnologias", disse, referindo-se ao fato de que o governo pretende a partir do próximo leilão passar a contratar novos projetos pela modalidade "quantidade". Conforme definiu, esse movimento significa transferir ao gerador o risco com um eventual déficit na produção de energia, em relação ao volume compromissado. Hoje esse risco é assumido pelo consumidor.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia