ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Corte de gastos enfrenta ceticismo entre republicanos no Congresso dos EUA

Washington

10/04/2018 23h44

Senadores aliados do governo expressaram nos últimos dias preocupações com os esforços do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reverter parte da lei orçamentária de US$ 1,3 trilhão aprovada no mês passado.

Vários senadores do Partido Republicano disseram que não apoiariam o cancelamento de parte da lei de gastos, resultado de meses de negociações bipartidárias entre os quatro principais líderes do Congresso.

"Isso é contra o acordo que ambas as casas e ambas as partes e o governo alcançaram", disse a senadora republicana Susan Collins, do Maine, que votou favorável à lei orçamentária. "Tentar desfazê-lo depois de ter sido assinado pela lei me parece um mau conselho."

Os republicanos têm sido criticados pelo crescente déficit orçamentário federal. O Escritório Parlamentar do Orçamento disse na segunda-feira que ele ultrapassaria US$ 1 trilhão por ano a partir de 2020, graças em parte aos cortes de impostos aprovados em dezembro e ao aumento dos gastos acordados no início deste ano durante as negociações do orçamento de dois anos.

Trump recusou publicamente o tamanho da conta de gastos, que ele ameaçou vetar antes de assinar relutantemente no final de março. Agora, altos funcionários da Casa Branca estão trabalhando em uma proposta de cortes de gastos, conhecidos como "rescisões", para enviar ao Capitólio. Eles só poderiam se tornar lei se os legisladores concordarem.

Uma vez redigido um projeto de lei de corte de gastos, o pacote de rescisões seria considerado no Congresso sob um processo acelerado e só precisaria de uma maioria simples para ser aprovado em ambas as casas. A maioria dos projetos de lei precisa de 60 votos para aprovação no Senado, onde os republicanos detêm apenas 51 dos 100 assentos.

A oposição no próprio Partido Republicano à proposta indica que ela enfrentará obstáculos provavelmente intransponíveis no Senado. Com o senador republicano John McCain, do Arizona, se recuperando do tratamento de um câncer, os líderes do partido não podem abrir mão de nenhum voto, sob o risco de a oposição democrata derrubar o projeto.

O líder da republicano no Senado, Mitch McConnell, do Kentucky, disse que a ideia "vale a pena pela discussão" com a Casa Branca, mas alertou que pode ser difícil de ser aprovada no Senado. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais Economia