ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Emissões de renda fixa crescem 49,1% no 1º tri para R$ 29,1 bi, diz Anbima

Cynthia Decloedt

São Paulo

11/04/2018 13h16

As emissões de títulos de renda fixa, incluindo híbridos, somaram R$ 29,1 bilhões no primeiro trimestre, alta de 49,1% frente ao mesmo período do ano passado. As debêntures corresponderam a 73% das operações de renda fixa, seguidas por fundos imobiliários (9%) e notas promissórias (8%).

Em relação aos prazos, existe indicação de alongamentos entre as debêntures, notou José Eduardo Laloni, diretor da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima). "De janeiro a março, o prazo médio voltou ao verificado em 2013 e 2014, confirmando a boa tendência", disse.

Segundo a Anbima, 23,6% dos prazos das debêntures têm vencimento superior a sete anos. Olhando para o perfil dos prazos das debêntures, na primeira repactuação, 21,6% estão em 10 anos ou mais, contra 9,8% no primeiro trimestre do ano passado.

Outro destaque foi a concentração das captações por meio de debêntures no setor de infraestrutura. As emissões de debêntures incentivadas aumentaram 264%. Laloni comentou ainda que o setor de assistência médica começa a aparecer nesse mercado. O setor captou R$ 3,5 bilhões no primeiro trimestre deste ano, com quatro emissões.

A relação de originação e distribuição se manteve acima de 50%. "É importante observar que a maior parte das operações está indo a mercado, porque a indústria de gestão de recursos cresceu e gera demanda. Ou seja, esse mecanismo está funcionando", afirmou.

Os investidores institucionais vêm ganhando espaço no perfil de subscritores das debêntures, que estiveram em 11,6% das operações no primeiro trimestre deste ano, contra 5% no mesmo período do ano passado. A participação das pessoas físicas nas emissões de debêntures ficou levemente acima do primeiro trimestre do ano passado, em 3,4% este ano. Nos três primeiros meses do ano passado foi de 3,2%.

As emissões no mercado de capitais externo atingiram R$ 31,6 bilhões no fechamento do primeiro trimestre, 0,32% abaixo dos três primeiros meses do ano passado. Em renda variável, o volume foi praticamente nulo, com apenas uma operação, contra montante de R$ 9,4 bilhões no primeiro trimestre de 2017, com seis operações.

Mais Economia