ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Tecsis negocia reabertura de produção em Sorocaba

José Maria Tomazela

Sorocaba

05/05/2018 08h16

Um ano após fechar sua última fábrica na cidade, a fabricante de pás eólicas Tecsis, que está em recuperação judicial desde outubro passado, iniciou negociações para retomar a produção em Sorocaba (SP). A reabertura foi discutida na quinta-feira entre representantes da empresa e a diretoria do Sindicato dos Químicos da região.

"A Tecsis vai voltar e esperamos que, em curto espaço de tempo, os postos de trabalho fechados com o encerramento da produção aqui sejam reabertos", disse o presidente do sindicato, Carlos Alberto dos Santos. A Tecsis confirmou que prepara a retomada dos negócios em Sorocaba, porém não deu mais detalhes sobre o tema.

A volta das operações no interior paulista está sendo anunciada um mês depois de a empresa reduzir drasticamente sua produção na unidade de Camaçari (BA). Dos 700 funcionários, 411 foram demitidos ou estão em processo de dispensa. Desde o início das demissões na unidade baiana circulavam informações de que a Tecsis reabriria uma ou mais fábricas em Sorocaba, conforme o sindicato.

A Tecsis chegou a ser a maior indústria da região de Sorocaba, com 8 mil funcionários em 2013. Afetada pela crise, a empresa reduziu gradativamente as atividades, até dispensar os últimos mil funcionários em 2017. Na época, a empresa anunciou que iria concentrar a produção na fábrica de Camaçari.

A reportagem apurou que a empresa fechou contrato para a produção de 300 pás de 25 metros e deve produzir as peças na unidade a ser reativada em Sorocaba - seria necessário fazer esses produtos em São Paulo porque a fábrica de Camaçari foi projetada para produtos de maior porte. A planta baiana foi construída em 2015, com incentivos do governo estadual e investimentos do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia