Bolsas

Câmbio

Vale diz ter a vantagem de opção de abastecimento ferroviário

Cynthia Decloedt e Aline Bronzati

São Paulo

O presidente da Vale, Fabio Schvartsman, disse que a companhia tem conseguido garantir suas operações graças à opção ferroviária e que não há previsão de quando seria eventualmente necessário reduzir a produção em decorrência da continuidade da greve dos caminhoneiros.

"Monitoramos de momento a momento onde está a restrição e temos compensado de um local ao outro. Não existe uma previsibilidade de quanto tempo mais de greve pode levar à redução da produção", afirmou a jornalistas após participar de painel no Fórum de Investimentos Brasil, que acontece em São Paulo.

Ele lembrou ainda que como a Vale usa ferrovias, possui resposta mais rápido. "Se a greve acabar agora não chegaremos a uma situação de descontinuidade da operação", acrescentou.

O executivo disse que todas as minas da Vale são atendidas por um misto de ferrovias e rodovias, o que reduz a vulnerabilidade da companhia, já que no momento de aperto é possível utilizar mais as ferrovias. "Estamos transportando por ferrovia agora amido para a produção de minério de ferro, algo que nunca tínhamos feito", comentou.

Schvartsman disse ainda que possível impacto de eventual redução na produção depende de sua magnitude, mas destacou que a Vale possui uma capacidade de produção superior à utilizada no momento, o que tende a minimizar os efeitos na empresa. "Temos uma velocidade de recuperação grande se a perda de produção for pequena. No fim do dia, não deveria ter consequência sobe a Vale, seus clientes ou funcionários", disse.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos