ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

5% de recursos do plano agrícola terão taxas de juros pós-fixadas, diz secretário

Gustavo Porto (enviado especial) e Julia Lindner

Brasília

06/06/2018 13h05

O secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Wilson Vaz de Araújo, disse que uma das novidades do Plano Agrícola e Pecuário 2018/19 será a oferta de uma pequena parte dos recursos para o financiamento com taxas de juros pós-fixadas.

Inicialmente, 5% dos recursos com juros controlados serão destinados a essa finalidade, informou o secretário. O restante seguirá com juros pré-fixados. "Será apenas um teste e, se houver mais demanda, estudaremos como atender", disse Araújo.

O Plano Agrícola foi lançado nesta quarta-feira, 6, em Brasília, pelo ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e pelo presidente, Michel Temer.

Segundo Araújo, os produtores que optarem pelas taxas pós-fixadas terão linhas de crédito com prazo superior de 12 meses.

Como exemplo, ele citou uma linha com juros de 6% a ano na linha pré-fixada, cujas taxas pós-fixadas serão de 0,33% ao ano mais a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerando uma inflação de 4,38%. Pelos cálculos, os juros da taxa pós-fixada ficariam em 4,72% ao ano.

Já para créditos com juros de 7% ao ano e mesma inflação, a taxa de juros pós-fixada é de 1,28% ao ano mais IPCA. Nesse caso, a taxa ficaria em 5,7% o ano.

Mais Economia