Bolsas

Câmbio

Ilan: Brasil conseguirá reduzir indexação da economia se mantiver inflação baixa

Eduardo Laguna e André Ítalo Rocha

São Paulo

O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, disse nesta sexta-feira, 8, que o Brasil conseguirá reduzir a indexação da economia se mantiver a inflação baixa por período prolongado, o que depende da aprovação de reformas e ajustes estruturais.

Ao participar de um encontro promovido na zona sul da capital paulista pelo Instituto Brasileiro de Executivos Financeiros (Ibef), o titular do BC sustentou que a indexação tem raízes mais culturais do que legislativas, lembrando que nenhuma lei obriga as escolas a reajustar mensalidades a cada 12 meses.

"Quanto menos indexação, mais potente é a política monetária ... A indexação faz isso, te amarra ao passado", afirmou Goldfajn. "Se a gente conseguir manter a inflação baixa, vamos conseguir reduzir a indexação. Para manter a inflação baixa, temos de seguir o curso, reformar e ajustar a economia", acrescentou.

Durante o evento, o presidente do BC, mais uma vez ressaltando a natureza técnica e apartidária da instituição, negou-se a falar das eleições, mas defendeu uma "sinalização" de que o Brasil vai perseverar no caminho das reformas fiscais e que aumentem a produtividade da economia.

Ele aproveitou ainda para ressaltar as medidas que o BC vem tomando para o País ter um sistema financeiro mais justo e de custo do crédito mais baixo. Disse que a autarquia tem se concentrado em reduzir os custos operacionais - assim como ampliar as garantias do sistema bancário -, e em incentivar a competição com menores restrições a fintechs. Também defendeu a redução dos subsídios cruzados, de forma a permitir que mais tomadores de crédito tenham acesso a juros mais baixos.

Sobre as medidas para diminuir os juros, Goldfajn lamentou que o projeto de cadastro positivo, uma espécie de ranking de bons pagadores, venha recebendo resistência de órgãos de defesa do consumidor na Câmara.

Bolsonaro

O presidente do BC se recusou a comentar a possibilidade de permanecer à frente da instituição em um eventual governo de Jair Bolsonaro, deputado federal do Rio de Janeiro que é pré-candidato à Presidência pelo PSL.

"Eu tenho dito que não comento candidatos, assessores de candidatos, apostas e eleições. Eu sempre digo que o papel do BC é se manter neutro, apartidário. Precisamos de atores neutros, para ajudar nessa transição para o próximo governo", explicou Goldfajn, em resposta a uma pergunta feita após palestra no Ibef.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos