ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Trump se recusa a apoiar declaração do G-7 após ter endossado comunicado

AE

Nova York

10/06/2018 12h44

Pouco depois do primeiro ministro do Canadá, Justin Trudeau, ter anunciado em coletiva de impressa que os sete países do G-7, incluindo os Estados Unidos, tinham endossado um comunicado conjunto, o presidente norte-americano, Donald Trump, declarou em sua conta no Twitter que o país não endossaria o documento.

A coletiva com jornalistas foi realizada pouco depois de Trump embarcar para a Cingapura, onde deve se encontrar com o ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, na terça-feira. Na ocasião, Trudeau informou que todos os sete países tinham dado seu aval ao comunicado, no qual as lideranças das nações do G-7 declaravam compartilhar o comprometimento de promover a "ordem internacional baseada em regras". Em uma seção intitulada "Investindo no crescimento que funcione para todos", o comunicado destacava o "papel crucial das nações na luta pela redução de barreiras tarifárias, não-tarifárias e subsídios".

Apesar do aparente consenso entre os integrantes do G-7, Trudeau fez declarações duras à Administração Trump. Disse que os países tinham tido "algumas conversas firmes sobre comércio, especificamente sobre as tarifas impostas por americanos". Segundo o primeiro ministro canadense, em seu encontro com Trump ele o alertou que o Canadá não seria pressionado e que poderia impor tarifas retaliatórias a produtos dos EUA em resposta a taxas sobre metais produzidos no Canadá. "Não queremos prejudicar trabalhadores norte-americanos ou o comércio entre Canadá e EUA", falou Trudeau a jornalistas. "Mas a escolha da administração (Trump) de impor tarifas ilegítimas e inaceitáveis devem ser respondidas de forma clara e firme. Eu farei isso sem vacilar."

Algum tempo antes da coletiva, repórteres a bordo do avião oficial do governo norte-americano, que estava a caminho de Cingapura, tinham recebido um comunicado informando que o presidente Trump apoiava o comunicado do G-7. Em coletiva dada antes de partir do Canadá, Trump chegou a dizer que seu relacionamento com o presidente da França, Emmanuel Macron, a chanceler alemã, Angela Merkel, e com Trudeau era "um 10" e defendeu a criação de um bloco de livre comércio entre os sete países.

Mas depois da coletiva dada por Trudeau, Trump disse em sua conta no Twitter que o líder canadense tinha agido de forma "mansa" nas reuniões, para depois falar duramente na coletiva de imprensa. "Com base nas declarações falsas de Justin em sua coletiva de imprensa e no fato de que o Canadá está cobrando tarifas massivas dos fazendeiros, trabalhadores e companhias dos Estados Unidos, instruí nossos representantes a não endossarem o comunicado (do G-7) enquanto examinamos as tarifas sobre automóveis que inundam o mercado dos EUA!", escreveu o presidente norte-americano.

Trump também acusou o líder canadense de ser desonesto e fraco. Mas não chegou a especificar a quais pontos do comunicado ele fazia objeção.

A declaração aumenta a insegurança em relação a um possível acirramento da batalha comercial entre os aliados, após o que parecia ser um arrefecimento das tensões.

Após as postagens no Twitter, uma porta-voz de Trudeau disse que os comentários do primeiro ministro não representavam "nada que ele não tivesse dito antes, tanto em público como em conversas privadas com o presidente". Membros da delegação europeia reagiram com descrença às declarações de Trump. "Vamos nos ater ao comunicado, conforme acordado por todos os participantes", comentou uma autoridade do bloco.

Mesmo antes de Trump informar que os EUA não endossariam o comunicado do grupo, os membros do G-7 já tinham entrado em divergências. Todos os sete países, exceto os EUA, afirmaram que promoveriam a luta contra as mudanças climáticas, enquanto um parágrafo à parte indicava que os EUA acreditavam que "o crescimento econômico sustentável e desenvolvimento dependem de acesso universal a fontes confiáveis e acessíveis de energia". EUA e Japão também discordaram de outro comunicado dos demais membros sobre a ameaça aos oceanos imposta por lixo plástico. Fonte: Dow Jones Newswires.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia