Bolsas

Câmbio

Em maio, pressão inflacionária foi maior para os mais pobres, diz Ipea

Renata Batista

Rio

A piora no comportamento dos preços de energia e alimentos fez com que, em maio, a pressão inflacionária sobre as classes mais baixas da população fosse maior do que sobre a parcela mais rica, diferentemente do que vinha acontecendo nos últimos meses, conforme divulgação realizada nesta segunda-feira, 11, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Enquanto para as famílias com menor poder aquisitivo a alta foi de 0,41% em relação ao mês anterior, na parcela de maior renda, a elevação foi de 0,38%. No período, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) registrou alta de 0,40%.

Apesar da aceleração na margem, em 12 meses, a inflação para as classes mais baixas foi menor do que no mesmo mês do ano passado. Além disso, no acumulado de 12 meses, ainda é 2,2 vezes menor que a das classes mais altas.

Apenas as faixa de renda média-alta e alta registraram inflação maior em maio de 2018 do que em maio de 2017. A elevação do preço dos combustíveis pressionou os custos de transportes das famílias mais ricas, que subiu 0,13% na comparação com abril.

Nas faixas de renda mais baixa, os gastos com transporte subiram apenas 0,04% e o grupo que mais pressionou a inflação foi habitação, com aumento de 0,18%.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos