Bolsas

Câmbio

Greve de caminhoneiros impactará PIB, mas não é possível medir impacto, diz IBGE

Daniela Amorim

Rio

A greve de caminhoneiros deve impactar o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre do ano, mas ainda não é possível precisar o tamanho da repercussão da paralisação sobre a atividade econômica, afirmou Roberto Olinto, presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A preocupação atual do instituto é com possíveis reflexos sobre a coleta de dados para as pesquisas conjunturais. Segundo ele, é preciso observar se o impacto aparecerá nos preços, no comércio, na produção, se houve perda de mercadoria no momento da parada, se houve recuperação ou estabilização quando terminada a greve.

"Se o impacto é de mais longo prazo ou mais curto prazo, é isso que a gente está observando. Nossa preocupação é não perder coleta de informação", afirmou Olinto.

Ele criticou algumas tentativas de analistas de mensurar as consequências da greve sobre o resultado do PIB do País.

O presidente do instituto, ex-coordenador de Contas Nacionais, disse ser impossível fazer projeções. Para ele, será preciso acompanhar o dia a dia da economia para saber a profundidade do impacto da paralisação.

"O que é inegável é que a gente teve crise de oferta, a gente está vivendo um semestre eleitoral que traz uma série de instabilidades, mas também uma série de previsões. Então o nosso cuidado com a informação tem que ser redobrado. Nossa preocupação com a narrativa da informação tem que ser redobrada. Com a greve de caminhoneiros e as pesquisas eleitorais, a construção de análise da informação aumenta", afirmou Olinto.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos