ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

'Problema fiscal é do País, não apenas do próximo governo', diz Guardia

Idiana Tomazelli

Brasília

03/10/2018 15h00

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, disse nesta quarta-feira, 3, que o problema fiscal "é um problema do País", não apenas do próximo governo, e que a reforma da Previdência é ponto central para resolver a situação das contas. Para o ministro, é importante "não negar que o problema existe" para que seja possível solucioná-lo.

"Quando se tem um problema, a coisa mais importante é entender a natureza do problema, não negar que o problema existe e buscar soluções que são adequadas para o tipo de problema que a gente tem. A gente tem um problema fiscal, e o ponto central é o desequilíbrio na Previdência, então esse é o primeiro passo necessário para termos um ajuste consistente e acelerar o crescimento econômico", afirmou, indicando que o desafio existirá independentemente do resultado das eleições presidenciais. "É um problema do País, não do próximo governo", disse.

Guardia esteve nesta quarta-feira em almoço com ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) a convite do presidente da corte, ministro Dias Toffoli. Ele traçou um cenário sobre os problemas e desafios econômicos que o País tem pela frente.

"Não teve um tema específico, foi um almoço com presença de quase todos os ministros, sobre a situação econômica do País. Dei minha visão sobre a importância do processo de reformas que a gente vem conduzindo e sobretudo da continuidade desse processo de reformas para que a gente possa continuar numa trajetória de crescimento", afirmou Guardia.

O ministro da Fazenda também destacou a importância da manutenção do teto de gastos, que tem sido alvo de críticas por diversas candidaturas à Presidência da República.

Guardia contou que não tratou de temas específicos, como processos judiciais nos quais a equipe econômica tem interesse (como a ação que pretende barrar o adiamento do reajuste dos servidores de 2019 para 2020), nem sobre o aumento salarial de 16,38% aprovado pelos ministros do STF na própria remuneração.

"Foi uma gentileza do presidente Toffoli de me convidar. Não tratei de nenhum interesse da Fazenda, até porque não era o momento", explicou.

Segundo o ministro da Fazenda, o Judiciário tem o Orçamento limitado ao teto de gastos, e não cabe ao Executivo dispor sobre as prioridades que serão adotadas entre as despesas dos demais poderes.

Guardia reconheceu que a gravidade do cenário fiscal não é novidade, mas destacou a importância do diálogo com os demais poderes para encaminhar uma solução.

"Não é novo (problema), mas é um tema que exige soluções, mudanças legislativas, continuidade do processo de reformas. Evidente que não é um problema novo, mas o que eu quero enfatizar é o gesto do presidente do STF de chamar para essa conversa, fundamental para bom relacionamento entre os poderes", disse.

Mais Economia