PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Previsão de déficit primário para 2019 cai a R$ 99,560 bi, revea Prisma Fiscal

Sandra Manfrini

Brasília

14/02/2019 10h29

Os analistas de mercado ouvidos pelo Ministério da Economia continuam prevendo que o governo entregará um déficit primário em 2019 bem menor que a meta fiscal negativa de R$ 139 bilhões para este ano. De acordo com o boletim Prisma Fiscal de fevereiro, divulgado nesta quinta-feira, 14, pela pasta, a mediana das previsões passou de um rombo de R$ 102,385 bilhões para um déficit de R$ 99,560 bilhões.

Já para 2020, os analistas projetaram um déficit de R$ 65,462 bilhões, também com uma folga considerável para a meta, que é de R$ 110 bilhões no negativo. No boletim anterior, as previsões indicavam o saldo negativo de R$ 68,778 bilhões para o próximo ano.

O Prisma deste mês manteve a previsão de arrecadação das receitas federais em R$ 1,569 trilhão em 2019. Para 2020 a projeção para a arrecadação subiu, de R$ 1,684 trilhão para R$ 1,689 trilhão.

A estimativa para a receita líquida do Governo Central neste ano passou de R$ 1,324 trilhão para R$ 1,322 trilhão, enquanto para o próximo ano passou de R$ 1,419 trilhão para R$ 1,417 trilhão.

Pelo lado do gasto, a projeção de despesas totais do Governo Central este ano caiu de R$ 1,426 trilhão para R$ 1,423 trilhão. Para 2020, a estimativa recuou de R$ 1,483 trilhão para R$ 1,482 trilhão.

A mediana das projeções dos analistas do Prisma para a Dívida Bruta do Governo Geral ao fim de 2019 passou de 78,20% do PIB para 78,00% do PIB. Para 2020, a estimativa que estava em 79,80% do PIB caiu para 79,30% do PIB no relatório de hoje.

Curto Prazo

O Prisma também atualizou as projeções fiscais deste e dos próximos dois meses. Para fevereiro, a estimativa de déficit primário passou de R$ 17,634 bilhões para um resultado também negativo de R$ 18,483 bilhões.

Para março, a previsão de rombo passou de R$ 18,614 bilhões para R$ 19,393 bilhões. Para abril, a projeção passou de um superávit de R$ 11,480 bilhões para um saldo positivo de R$ 10,976 bilhões.