IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Mansueto sinaliza prazo superior a 5 anos para Estados se readequarem à LRF

Fabrício de Castro

Brasília

18/06/2019 17h32

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, sinalizou na tarde desta terça-feira, 18, com a possibilidade de os Estados terem um prazo superior a 5 anos para se readequarem à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Este prazo consta no Plano de Equilíbrio Fiscal (PEF) - o chamado "Plano Mansueto" -, encaminhado pelo governo ao Congresso.

A LRF estabelece que a despesa total com pessoal não poderá exceder os 60% da receita corrente líquida dos Estados e municípios. No caso da União, o limite é de 50%. Pela lei, se o Estado ultrapassou o limite de 60%, ele tem oito meses para se ajustar, o que é considerado inviável hoje, considerando as dificuldades financeiras dos entes federativos.

A proposta do PEF é de que os Estados tenham um prazo maior, de 5 anos, para voltar a cumprir a LRF. "Se no debate aqui falarem que o prazo é muito curto - eu não acho que é, mas se for (considerado) muito curto - temos espaço para debater nesta Casa", disse Mansueto, durante audiência pública na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados. "Talvez o necessário sejam 6 anos. (Isso) se debate aqui", acrescentou.

Mansueto participou nesta tarde de audiência pública ordinária da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados. Na pauta de discussões estava justamente o descumprimento, pelos Estados, dos limites de gastos com pessoal constantes na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Economia