PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Santander: consignado e cartão são destaques na carteira de pessoa física

Aline Bronzati

São Paulo

23/07/2019 09h52

Os segmentos de crédito consignado, com desconto em folha de pagamentos, pessoal e cartão de crédito foram destaque de crescimento na carteira de empréstimos do Santander Brasil com foco nas pessoas físicas durante o segundo trimestre frente aos três meses anteriores. Já do lado das empresas, capital de giro e veículos foram os únicos que apresentaram crescimento no período.

A carteira de crédito consignado do Santander cresceu 6,5% no segundo trimestre ante o primeiro e 23,2% em um ano, totalizando R$ 37,949 bilhões. Já a de cartões teve altas de 2,7% e 22,3%, respectivamente.

Crédito pessoal avançou 5,0% no segundo trimestre ante o primeiro e 15% em um ano. O financiamento ao consumo, originado fora da rede de agências, apresentou alta de 3,4% e 17,2%, nesta ordem.

Em veículos, segmento no qual o banco é líder no Brasil, a carteira foi a R$ 46,641 bilhões ao final de junho, alta de 3,25% frente a março. Em um ano, cresceu 17,3%. No crédito imobiliário, o Santander Brasil entregou expansão de 2,0% no segundo trimestre contra o primeiro e 12,0% em um ano. No início do mês, o banco anunciou uma ofensiva no segmento, com redução de juros e uma parceria promocional com o Magazine Luiza, cujo impacto só poderá ser mensurado no terceiro trimestre.

Já a carteira de crédito rural à pessoa física do Santander encolheu 7,8% no segundo trimestre ante o primeiro, para R$ 5,767 bilhões. Em um ano, entretanto, cresceu 15,2%.

Do lado da pessoa jurídica, a maioria das carteiras seguiu em queda, refletindo o cenário ainda lento de retomada econômica no País. Exceções no segundo trimestre, as linhas de capital de giro e de leasing/veículos tiveram aumento de 2,1% e 3,8%, respectivamente.

A carteira de crédito ampliada do Santander Brasil foi a R$ 394,132 bilhões de abril a junho, aumento de 1,9% ante o primeiro trimestre. Em um ano, cresceu 7,0%, desacelerando o ritmo visto no início do ano, como já sinalizado pelo banco.