IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Correção: Corretora 'formiguinha' briga com Aon

Mônica Scaramuzzo

São Paulo

08/08/2019 14h56

O texto enviado anteriormente continha uma incorreção. A Amarq conseguiu liminar para impedir que o grupo Aon contatasse seus clientes e não como constou. Segue texto corrigido:

A corretora de seguros voltada a benefícios de saúde Amarq entrou na Justiça contra a gigante americana Aon, a maior do mundo. Considerada uma "formiguinha" no universo de corretoras, a Amarq, de Mariana Avena Marques, quer que a Aon pare de assediar sua carteira de clientes. Até há poucos meses, as duas eram parceiras. A americana ganhou relevância no País ao adquirir, em 2017, a corretora Admix, por R$ 1,2 bilhão.

No início de julho, a Amarq conseguiu liminar para impedir que o grupo contatasse seus clientes. Na semana passada, contudo, a Aon conseguiu derrubar a decisão, que tramita na 2.ª Vara Empresarial e Conflitos de Arbitragem no Tribunal de Justiça de São Paulo. A corretora vai recorrer.

Não é o primeiro processo que o grupo americano enfrenta no País. Desde o fim do ano passado, a Aon e a Admix estão em arbitragem, avaliada em cerca de R$ 200 milhões, que corre sob sigilo. Fontes afirmaram ao Estado que a Aon não conseguiu integrar suas operações, passou a perder clientes e ainda não teria pago parte do que deve à Admix.

A perda de clientes prejudicou a Amarq. "Trabalhei na Admix por dez anos. Em 2014, deixei a empresa para abrir meu próprio negócio. A Amarq tornou-se parceira da Admix", disse Mariana.

Segundo ela, a parceria corria bem até que a Amarq começou a enfrentar atraso de pagamentos por serviços prestados já sob a administração da Aon. O acordo previa pagamento semanais pelas comissões. "Esses atrasos chegam a quase 12 meses."

Em tentativa de acordo em abril, Mariana disse que chegou a ser intimidada pela gigante em uma reunião. "Neste tipo de parceria, entramos com nossa carteira de clientes e empresas maiores, como a Aon, com sua estrutura de mercado."

Pulverizado. Com cerca de 44,3 mil corretoras no País, o setor de corretora de seguros é pulverizado e movimenta cerca de R$ 30 bilhões ao ano. A corretora de seguros é a intermediária entre cliente e seguradora. Para o especialista em seguros Francisco Galiza, a competição entre as corretoras no Brasil é acirrada. "Seu principal patrimônio é sua carteira de clientes", disse.

É justamente por isso que a Amarq e a Aon brigam, em diferentes escalas. Com uma carteira de 154 empresas, dez vezes menor que a da Admix, a Amarq disse que voltou a contatar os clientes insatisfeitos para retomá-los. "Mas a Aon passou a assediar meus clientes oferecendo pesados descontos", diz ela. O advogado Bruno Puerto Carlin, do escritório Puerto Henriques Advogados, disse que há documentos que comprovam o assédio da gigante.

Procurada, a Aon informou que é "comprometida com a transparência e ética em seus relacionamentos com parceiros e clientes" e não comentará o assunto. O escritório Pinheiro Neto, que representa a Aon, não retornou. O E. Munhoz Advogados, que defende o controlador da Admix na arbitragem, também não comentou.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais Economia