Topo

Dólar sobe ante libra e franco suíço, com acordo entre EUA e China no radar

Iander Porcella

São Paulo

19/11/2019 18h59

O dólar avançou ante a libra e o franco suíço nesta terça-feira, mas recuou em relação ao euro e ao iene, com foco nas negociações entre Estados Unidos e China para a assinatura da chamada "fase 1" de um acordo comercial entre os dois países.

Perto do horário de fechamento em Nova York, o dólar caía a 108,56 ienes e avançava a 0,9910 franco suíço, enquanto o euro subia a US$ 1,1079, quase estável, e a libra recuava a US$ 1,2929. O índice DXY, que mede a variação da divisa dos EUA ante uma cesta de seis rivais, encerrou o dia em alta de 0,06%, aos 97,856 pontos.

O último desdobramento da guerra comercial sino-americana foi uma notícia veiculada pela Bloomberg, no início da tarde, de que americanos e chineses usarão um acordo negociado em maio, mas que não chegou a ser fechado, como base para decidir a magnitude do alívio tarifário que fará parte do pacto comercial em andamento.

Já o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou estar "muito feliz" com o rumo das negociações, mas ameaçou impor tarifas maiores ao país asiático caso Pequim e Washington não cheguem a um entendimento comercial.

Ontem, uma repórter da CNBC havia informado que os chineses estão "pessimistas" com declarações de Trump de que não estaria disposto a remover tarifas impostas à China.

De acordo com Joe Manimbo, analista-sênior de mercado do Western Union, o euro se mantém em níveis altos ante o dólar devido à melhora no sentimento dos investidores em relação à Europa, desde que a Alemanha informou crescimento de 0,1% do Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre e evitou entrar em recessão.

"O euro deve se beneficiar de qualquer evidência de recuperação que atenue as expectativas de medidas de estímulo mais ousadas do BCE, liderado por Christine Lagarde", analisa Manimbo.

Já a libra, segundo o especialista, operou hoje em compasso de espera pelo primeiro debate eleitoral entre o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn. "Uma demonstração de força de Johnson ajudaria a solidificar sua liderança e sustentar a libra", afirma.

Ante divisas emergentes, o dólar subia a 59,6449 pesos argentinos e a 19,3747 pesos mexicanos, mas recuava a 14,7795 rands sul-africanos, perto do fechamento em Nova York.

Economia