PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Steinbruch, dono da CSN, tem vitória em briga societária com primos

Benjamin Steinbruch, dono da CSN - Flavio Florido/UOL
Benjamin Steinbruch, dono da CSN Imagem: Flavio Florido/UOL

Mônica Scaramuzzo

São Paulo

17/01/2020 07h05

O Tribunal de Justiça de São Paulo negou, mais uma vez, o pedido dos primos de Benjamin Steinbruch, dono da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), para dissolver as sociedades que os ramos da família têm nas empresas do grupo, que também controla a companhia têxtil Vicunha e o banco Fibra. Há dois anos, os herdeiros travam disputa que pode mudar a composição societária dos negócios.

A briga se dá na Vicunha, que controla a CSN e outros negócios do grupo. Os dois ramos da família —Rio Purus, holding que representa Benjamin, Ricardo e Elizabeth Steinbruch, e CFL, que representa Léo e Clarice, primos do presidente da CSN— estão brigados desde 2017.

Os primos Léo e Clarice, que pediam mais voz e direitos iguais nos conselhos de administração, vão manter a influência proporcional às suas fatias nas empresas, segundo a decisão da 2ª Vara Empresarial de São Paulo. A multa estabelecida para a parte que perder o processo, avaliado em R$ 1 bilhão, baixou de R$ 150 milhões para R$ 100 milhões.

O conglomerado foi criado nos anos 1960 pelos irmãos Mendel (pai de Benjamin, Ricardo e Elisabeth) e Eliezer (pai de Clarice e Léo). Os desentendimentos entre os herdeiros ganharam força com a morte de Eliezer, em 2008. O acordo de acionistas da família Steinbruch foi firmado em 1994, após a morte de Mendel. Mesmo com fatias societárias diferentes, os herdeiros teriam o mesmo peso nas decisões dos negócios.

O acordo estabelecia que 60% da Vicunha e da CSN seriam propriedade de Mendel e 40%, de Eliezer. Nos demais negócios, a divisão seria de 55% para Mendel e 45% para Eliezer.

Em janeiro de 2018, os primos de Benjamin tentaram iniciar um processo de desmembramento das empresas. Eles estariam dispostos a sair dos negócios, mas há impasse sobre quanto valeria hoje sua participação. A fortuna da família inclui imóveis residenciais e incorporações comerciais.

Em junho de 2019, a 2ª Vara Empresarial de São Paulo já tinha dado uma decisão favorável ao ramo da família de Benjamin. Ao jornal "O Estado de São Paulo", Ricardo Tepedino, que representa Leo e Clarice, disse que vai recorrer da sentença. O advogado Paulo Lazzareschi, que representa a Rio Purus, disse que a decisão do juiz foi bem fundamentada.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas