PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Setor externo tem déficits de US$ 5,691 bi em dezembro e de US$ 50,762 bi em 2019

Fabrício de Castro e Eduardo Rodrigues

Brasília

27/01/2020 10h24

Com o déficit de US$ 5,691 bilhões em dezembro, o Brasil fechou o ano de 2019 com um resultado negativo de US$ 50,762 bilhões nas transações correntes do balanço de pagamentos. Os números foram divulgados nesta segunda-feira, 27, pelo Banco Central.

A autarquia projetava um déficit de US$ 6,0 bilhões para dezembro e de US$ 51,1 bilhões para o acumulado do ano.

O número de 2019 ficou dentro do levantamento realizado pelo Projeções Broadcast, que tinha intervalo de déficit de US$ 52,000 bilhões a déficit de US$ 48,3 bilhões (mediana negativa de US$ 49,550 bilhões). O déficit de US$ 50,762 bilhões de 2019 é o pior resultado anual desde 2015, quando houve déficit de US$ 54,472 bilhões.

Este saldo negativo na conta corrente em 2019 representou 2,76% do Produto Interno Bruto (PIB).

No ano passado, a balança comercial registrou saldo positivo de US$ 39,404 bilhões, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 35,141 bilhões. A conta de renda primária também ficou deficitária, em US$ 55,989 bilhões. No caso da conta financeira, o resultado ficou negativo em US$ 53,056 bilhões.

Dezembro

No caso de dezembro, o mercado financeiro projetava déficit entre US$ 6,6 bilhões e US$ 3,2 bilhões, com mediana negativa de US$ 4,5 bilhões. O rombo de US$ 5,691 bilhões foi o melhor resultado para o mês desde 2017 (déficit de US$ 2,697 bilhões).

Em dezembro, a balança comercial registrou saldo positivo de US$ 4,764 bilhões, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 3,541 bilhões. A conta de renda primária também ficou deficitária, em US$ 6,699 bilhões. No caso da conta financeira, o resultado ficou negativo em US$ 5,800 bilhões.

Lucros e dividendos

A remessa de lucros e dividendos de companhias instaladas no Brasil para suas matrizes foi de US$ 31,126 bilhões em 2019, informou o Banco Central. A saída líquida representa um volume inferior aos US$ 36,539 bilhões que foram enviados em 2018, já descontados os ingressos.

Somente em dezembro, a saída líquida de recursos via remessa de lucros e dividendos alcançou US$ 3,496 bilhões. A expectativa do BC era de que a remessa de lucros e dividendos de 2019 somasse US$ 32,0 bilhões. Para 2020, a projeção é de US$ 34,0 bilhões.

O BC informou também que as despesas com juros externos somaram US$ 25,058 bilhões em 2019, ante US$ 22,534 bilhões em 2018. Apenas em dezembro, essas despesas alcançaram US$ 3,218 bilhões.

Para 2019, o BC projetava pagamento de juros no valor de US$ 24,3 bilhões. No caso de 2020, a estimativa é de US$ 22,0 bilhões.

Viagens internacionais

A conta de viagens internacionais voltou a registrar déficit em 2019, informou o Banco Central. No ano passado, a diferença entre o que os brasileiros gastaram lá fora e o que os estrangeiros desembolsaram no Brasil foi de um saldo negativo de US$ 11,681 bilhões. Em 2018, o déficit nessa conta foi de US$ 12,345 bilhões.

O desempenho da conta de viagens internacionais foi determinado por despesas de brasileiros no exterior, que somaram US$ 17,593 bilhões em 2019. Já o gasto dos estrangeiros em passeio pelo Brasil ficou em US$ 5,913 bilhões no ano passado.

Apenas em dezembro, o saldo líquido da conta de viagens ficou negativo em US$ 987 milhões. Para 2019, o BC estimava um déficit de US$ 12,0 bilhões nesta conta. No caso de 2020, a projeção é de déficit de US$ 13,5 bilhões.