PUBLICIDADE
IPCA
0,25 Fev.2020
Topo

EUA consideram negar entrega de motores da GE para avião fabricado na China

C919, da Comac (Commercial Aircraft Corporation of China), fabricante de aeronaves estatal chinesa - Divulgação
C919, da Comac (Commercial Aircraft Corporation of China), fabricante de aeronaves estatal chinesa Imagem: Divulgação

Washington

15/02/2020 16h46

O governo do presidente dos EUA, Donald Trump, está considerando uma proposta para interromper as entregas de motores a jato coproduzidas pela General Electric para um novo avião em desenvolvimento na China, uma potencial escalada de medidas comerciais de proteção que podem ter fortes repercussões para o grande fabricante americano.

O governo pode recusar-se a emitir uma licença que permita à CFM International, uma joint venture da GE e da francesa Safran SA, exportar mais de seus motores a jato LEAP 1C para a China, disse uma pessoa familiarizada com as discussões. Os motores estão sendo usados no desenvolvimento do avião Comac C919 daquele país, o mais recente de uma família planejada de novos jatos que está anos atrasada.

Alguns membros do governo temem que os chineses possam fazer engenharia reversa dos motores CFM, permitindo que a China entre no mercado global de motores a jato, minando os interesses comerciais dos EUA.

A GE argumenta contra a decisão, de acordo com a fonte, dizendo que imitar as técnicas avançadas de fabricação que produziram o motor é muito mais difícil do que acreditam algumas autoridades da administração. Na prática, de acordo com a GE, os motores CFM estão na China há anos, o que significa que os fabricantes chineses já poderiam ter iniciado a engenharia reversa.

A potencial negação de uma nova licença para os motores está na agenda de uma reunião de autoridades da administração agendada para quinta-feira. A administração também está considerando a possibilidade de estender as licenças existentes para os sistemas de aviões que a GE fornece para o C919.

Por que os voos com o 737 Max foram suspensos no mundo todo

UOL Notícias

Economia