PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Ninguém voltará para fila do Bolsa Família após fim do auxílio, diz secretário

13.mar.2020 - O secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, em coletiva sobre a MP que permite saques de R$ 1.045 do FGTS - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
13.mar.2020 - O secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, em coletiva sobre a MP que permite saques de R$ 1.045 do FGTS Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Lorenna Rodrigues

Brasília

05/06/2020 17h08Atualizada em 05/06/2020 17h26

Depois de o governo transferir quase R$ 84 milhões do Bolsa Família para publicidade institucional, secretários do Ministério da Economia disseram que o programa está com a fila zerada e que as pessoas que estavam esperando para entrar já estão recebendo o auxílio emergencial de R$ 600.

De acordo com o secretário executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, as pessoas que estavam na fila do Bolsa Família antes da criação do auxílio emergencial serão automaticamente incluídas no programa com o fim do pagamento mensal de R$ 600. "Ninguém voltará para a fila", garantiu.

Conforme dados do Ministério da Cidadania, 433 mil famílias já haviam sido habilitadas, mas ainda aguardavam para entrar no programa no mês passado. O secretário disse ainda que 95% dos beneficiários do Bolsa migraram para o auxílio emergencial, por ser economicamente mais vantajoso. "Os recursos para o Bolsa Família e o auxílio emergencial estão garantidos", completou.

O secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues, acrescentou que nenhum beneficiário do Bolsa Família foi prejudicado pela decisão do governo de transferir os recursos do programa para a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência (Secom).

Ele lembrou que o governo decidiu prorrogar o auxílio emergencial por mais duas parcelas "em princípio" e que, depois da medida provisória que previa o pagamento permanente do 13º para o Bolsa Família caducar, o governo analisará o espaço orçamentário para seja a parcela extra seja repetida neste ano.

"O custo do 13º do Bolsa Família deve ser de cerca R$ 2,5 bilhões. Alocaremos recursos para pagamento do Bolsa Família conforme decisão política", completou.

Questionado do porquê da transferência de recursos do Bolsa Família para publicidade institucional, e não para ações relacionadas ao covid-19, por exemplo, Rodrigues disse que o Ministério da Economia atende demandas setoriais e que o valor "é muito pequeno" em comparação aos mais de R$ 150 bilhões destinados ao combate da pandemia. "Estamos alocando vários bilhões de reais a áreas associadas à covid-19", completou.

Conforme portaria publicada ontem, o governo federal retirou R$ 83,9 milhões que seriam usados no programa Bolsa Família para destinar à Secom. A medida atinge os recursos previstos para a região Nordeste do País e o dinheiro será utilizado para comunicação institucional, ou seja, para fazer publicidade das ações da gestão. O valor total destinado ao Bolsa Família no ano inteiro é de R$ 32,5 bilhões.