PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

CNC: Confiança do comércio cai 28,6%% em junho ante maio, maior queda da série

Denise Luna

Rio

25/06/2020 11h26

O índice que mede a confiança do empresário do comércio (Icec) atingiu em junho sua pior queda mensal da série histórica iniciada em março de 2011 pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), um recuo de 28,6% em relação a maio. O Icec caiu a 66,7 pontos, na pior pontuação desde o início da série histórica.

"Ainda influenciada pelos impactos econômicos do novo coronavírus, a confiança dos comerciantes acumulou queda de 54 pontos nos dois últimos meses, levando ao recorde o pessimismo entre os tomadores de decisão do varejo", disse a CNC em nota.

O indicador que mede a satisfação dos empresários com as condições atuais, seja da economia, do comércio, seja também da própria empresa, foi o que mais se destacou negativamente, chegando a 38,9 pontos, menor patamar desde dezembro de 2015, com quedas significativas, tanto mensal (-46,6%) quanto anual (-58,3%).

Especificamente sobre a economia, os números pioraram ainda mais neste mês: 22,7 pontos (menor nível desde junho de 2016), com queda mensal de 62,2% e anual de 73,1%. Mais de 90% dos entrevistados avaliam que a situação econômica atual está pior do que há um ano.

O índice que avalia as intenções de investimento também ampliou as variações negativas: -18,6% (mensal) e -30% (anual). Com 71,5 pontos, o item chegou ao menor patamar desde junho de 2017, reforçando que os empresários devem reduzir os investimentos nos negócios, em razão da crise.

Nesse cenário, a intenção de contratação de funcionários alcançou o menor índice da série histórica: 67,5 pontos, com recuos nas bases comparativas mensal (-24,5%) e anual (-44,6%).

Com o maior nível entre os subíndices do Icec e, até maio, o único dentro da zona de avaliação positiva, o indicador que mede as expectativas dos empresários do comércio atingiu, em junho, o patamar de pessimismo (abaixo de 100 pontos) pela primeira vez na história da pesquisa.

Com a queda mensal de 24,9%, chegou a 89,6 pontos, 43,8% a menos do que a pontuação aferida no mesmo período do ano passado, indicando que os comerciantes esperam, nos meses à frente, piora na economia, no comércio e também com relação ao desempenho da própria empresa, informa a CNC.

De acordo com o presidente da CNC, José Roberto Tadros, a recuperação será lenta e parte dos varejistas de menor porte tem enfrentado dificuldades no acesso ao crédito, apesar do custo mais baixo.

"As instituições financeiras ampliaram os riscos de inadimplência nos balanços e têm imposto necessidade de garantias que, por vezes, superam os valores das operações de crédito", explica Tadros, ressaltando que as micro e pequenas empresas precisam ser estimuladas, pois são fundamentais para a economia. "A criação de um Refis é absolutamente necessária para o soerguimento econômico, já que não se sabe quando a crise acabará", finalizou o executivo.