PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Para 58% dos congressistas, agenda econômica do governo é correta, diz pesquisa

Elizabeth Lopes

São Paulo

06/08/2020 13h16

A segunda edição do Necton Investimentos Política, realizada pela Vector Relações Governamentais e que entrevistou líderes e vice-líderes de partidos e blocos na Câmara dos Deputados e no Senado, mostra que o Congresso Nacional está otimista com relação à economia do País, a despeito dos efeitos causados pela pandemia do novo coronavírus.

De acordo com Leonardo Barreto, diretor da Vector Análise, a mostra indica que o otimismo com relação à economia em 2021 é de 65% entre os parlamentares pesquisados e para 58% dos congressistas, a agenda do governo nessa seara está correta.

O mesmo otimismo foi demonstrado, nessa segunda mostra da pesquisa Vector, encomendada pela Necton, com relação à aprovação da reforma tributária.

Para 64,4% dos congressistas, a reforma tributária será aprovada. Contudo, 76,3% destacaram a preferência por uma reforma mais ampla, conforme o proposto nas PECs 45 e 110, que unificam todos os tributos, e não pela apresentada pelo governo federal.

A pesquisa mostra ainda que 60% dos congressistas se identificam como base ou independente. Entre 35% a 40% se identificam como oposição.

"Há uma maioria apertada para aprovar PECs", destacou Barreto. "A pesquisa indica que a relação entre Bolsonaro e o Congresso Nacional mostra dificuldades da gestão federal com os processos políticos."

Em live realizada nesta quinta-feira, 6, o economista-chefe da Necton Investimentos, André Perfeito, destacou a importância dessa radiografia junto aos parlamentares, destacando que ela indica o caminho que vem sendo tomado pelo Congresso Nacional em questões importantes para o País, como a reforma tributária.

Outro ponto abordado na mostra foi a sucessão às presidências da Câmara e do Senado. Na pesquisa com os deputados, Barreto citou um dado interessante.

A saída do MDB do blocão (o chamado Centrão) alçou o nome de Baleia Rossi entre os concorrentes à presidência da Câmara. "Já Aguinaldo Ribeiro, favorito de Maia, não foi citado pelos deputados", destacou.