PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

IIF cita Brasil como emergente com risco mais elevado de refinanciamento de dívida

IIF cita Brasil como emergente com risco mais elevado de refinanciamento de dívida - Reprodução
IIF cita Brasil como emergente com risco mais elevado de refinanciamento de dívida Imagem: Reprodução

André Marinho

São Paulo

02/02/2021 18h32

Entre emergentes, o Brasil é o país onde os riscos para refinanciamento de dívida são mais elevados este ano, na avaliação do Instituto Internacional de Finanças (IIF). Em relatório divulgado nesta terça-feira, a instituição classifica o cenário fiscal brasileiro como "complicado".

A análise destaca que os prazos médios dos títulos soberanos diminuíram "significativamente" durante a pandemia, com um volume considerável de vencimentos esperado para os próximos meses. "Uma base de investidores principalmente locais alivia as preocupações de rolagem parcialmente, mas a consolidação fiscal politicamente difícil e a alta amortização são uma combinação arriscada", ressalta.

O instituto fiscal explica que o governo financiou o déficit fiscal de cerca de 15% do Produto Interno Bruto por meio de diferentes formas de empréstimos de curto prazo, tendo enxugado os depósitos no Banco Central com objetivo de impulsionar a liquidez. Em contrapartida, a autoridade monetária realizou operações de recompra de curto prazo (repo) com intuito de "colocar mais títulos nas mãos do público".

Para o IIF, a estratégia foi bem-sucedida em reduzir os custos de empréstimos, mas gerou riscos de rolagem. "A amortização este ano é tão alta quanto no início dos anos 2000, com um alto volume de vencimentos para abril", explica.

Nesse quadro, a instituição acredita que o governo deveria cortar todas as despesas emergenciais com a pandemia a fim de cumprir o teto de gastos, mas reconhece que essa possibilidade não é provável. "Cenários em que uma parcela razoavelmente pequena dos gastos de emergência é estendida podem atingir um bom equilíbrio entre apoiar o crescimento e abordar questões de sustentabilidade da dívida, potencialmente pavimentando o caminho para uma rolagem mais fácil", ressalta o IIF, que também cita a situação da África do Sul como um dos casos de grandes desafios fiscais.

PUBLICIDADE