PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

BB vê lucro cair 22,2% em 2020 e termina ano com saldo de R$ 13,8 bilhões

Lucro do BB soma R$ 3,695 bi no 4º trimestre de 2020, queda de 20,1% em um ano -
Lucro do BB soma R$ 3,695 bi no 4º trimestre de 2020, queda de 20,1% em um ano

André Ítalo Rocha e Aline Bronzati

11/02/2021 19h32

O Banco do Brasil registrou lucro líquido ajustado de R$ 3,695 bilhões no quarto trimestre do ano passado, queda de 20,1% ante igual período de 2019. Em relação ao trimestre anterior, contudo, houve expansão de 6,1%. A melhora no fim do ano, porém, não foi suficiente para evitar que a instituição terminasse 2020 com queda no lucro acumulado, de 22,2%, para R$ 13,884 bilhões.

Segundo o relatório que acompanha o balanço do banco, a piora na comparação anual é explicada principalmente pelo aumento das provisões para créditos de liquidação duvidosa, no conceito ampliado, que cresceram 47,6% no quarto trimestre ante igual período de 2019, influenciadas pela antecipação de provisões prudenciais, que somaram R$ 8,1 bilhões.

Já o crescimento verificado em comparação ao terceiro trimestre está relacionado à redução de 6,3% das provisões no conceito ampliado, à expansão de 1,5% nas receitas com prestação de serviços, ao avanço de 1,1% na margem financeira bruta.

A carteira de crédito do banco chegou ao fim de 2020 com saldo de R$ 742 bilhões, alta de 1,5% em relação ao que tinha em setembro e de 9% em comparação ao nível de dezembro de 2019.

Para pessoa física, a carteira cresceu 3% em relação ao que tinha em setembro, principalmente em razão do desempenho do crédito consignado, que teve avanço de 4%, e do cartão de crédito, com alta de 15,9%. Na pessoa jurídica, houve avanço de 3,1%. O agronegócio teve desempenho mais tímido, com alta de 0,7%.

A rentabilidade sobre o patrimônio líquido, refletida no indicador RSPL, atingiu 12,1% no último trimestre do ano passado contra 12% nos três meses anteriores. No ano, foi a 12% ante 17,3% em 2019. A pandemia dificultou ainda mais a batalha do BB para fechar a distância de retorno existente perante seus pares privados. Com o reforço no colchão para perdas, a rentabilidade foi prejudicada.

O último trimestre do ano passado marca o primeiro 'completo' sob a gestão de André Brandão, que assumiu a presidência do BB no fim de setembro, no lugar da economista Rubem Novaes. Ele desembarcou no banco, vindo do HSBC, com o desafio de destravar uma agenda de desinvestimentos, atropelada em meio à pandemia, e preparar a instituição para a arena digital que se transformou o sistema financeiro, em um mundo mais digital e eficiente.

Sem tempo a perder e com o DNA de banco de investimento, fez a primeira 'entrega' ainda no fim do ano passado. Na época, emplacou a extinção da primeira estatal do BB, a Bescval, incorporada à instituição em 2008, junto com a aquisição do Banco de Santa Catarina. Essa semana, o banco anunciou o desinvestimento da fatia que detinha na Kepler Weber, empresa de soluções para armazenagem agrícola.

Como o prazo curto, o mercado aguarda uma tração na venda de ativos ao longo de 2021. Neste semestre, o plano é listar a bandeira de cartões Elo e o BV, antigo banco Votorantim, na bolsa, e ainda selar uma parceria internacional com a sua gestora, a BB DTVM. Outra promessa é deslanchar a sociedade com o UBS na área de banco de investimento, mercado aquecido a despeito da pandemia.

Em paralelo, o BB foi além nos planos de ser mais eficiente, seguindo os pares privados, que vêm se debruçado no tema nos últimos anos frente à concorrência crescente e a queda dos juros no País. Nesse sentido, anunciou um plano de reestruturação que envolve fechar 112 agências e cortar 5 mil funcionários por meio de programas de demissão voluntária. As ações desagradaram o presidente Jair Bolsonaro, que pediu a cabeça de Brandão, que conseguiu permanecer no cargo e seguir com o plano de eficiência, bem recebido pelo mercado.

O plano de fechar agências em 2021 será tocado após o banco ir na contramão do mercado em 2020 e encerrar o ano com abertura de unidades. Apesar de ter fechado duas no quarto trimestre, terminou o ano com 12 novas agências.

Ao fim de 2020, o BB somava R$ 1,725 trilhão em ativos totais, elevação de 16,5% ante um ano antes. No trimestre, contudo, foi vista queda de 2,5%. Seu patrimônio líquido foi a R$ 126,971 bilhões ao fim de dezembro, 17% maio do que o nível de um ano antes. Em relação aos três meses anteriores, cresceu 3,8%.

O BB comenta seus resultados do primeiro trimestre em teleconferência com a imprensa amanhã, às 8h30 horas, com a presença de Brandão e a alta cúpula do banco. Na sequência, às 10 horas, atende analistas e investidores.

PUBLICIDADE