PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Vencimento de opções na B3 terá nova metodologia a partir de maio

A partir do mês de maio, a B3 começará a usar uma nova metodologia para o vencimento de opções - Rahel Patrasso/Reuters
A partir do mês de maio, a B3 começará a usar uma nova metodologia para o vencimento de opções Imagem: Rahel Patrasso/Reuters

Niviane Magalhães

Em São Paulo

15/04/2021 10h30

A partir do mês de maio, a B3 começará a usar uma nova metodologia para o vencimento de opções que, segundo analistas, só tende a beneficiar o mercado. Atualmente, a data de vencimento de uma opção é a terceira segunda-feira de cada mês. A partir de maio, a data limite de negociação passará a ser a terceira sexta-feira do mês de vencimento, casando com a data de vencimento com o mercado internacional.

Outra mudança anunciada é no horário. No modelo atual o exercício ocorre até as 13 horas. Na metodologia nova, o exercício ocorrerá após o pregão regular, com 30 minutos de after market. O último dia de negociação das opções não será mais o pregão anterior ao vencimento, e sim, a própria data em que os derivativos vencem.

Já em relação ao preço de referência, que atualmente a cotação é feita durante o pregão regular, a partir de maio será com base no call de fechamento. Segundo a B3, esta mudança possibilita maior concentração de liquidez e preço mais robusto.

Para o analista de opções da Ativa Investimentos, André Campos, "o impacto da mudança para os negócios é extremamente positivo, pois o vencimento das opções fica centralizado em uma semana inteira e termina na sexta mesmo, além de poder negociar a opção no dia de vencimento, o que na minha opinião, favorece o mercado no geral".

A última mudança relevante é o 'contrary exercise', que permite ao titular de uma opção solicitar o bloqueio do exercício automático para os derivativos dentro do dinheiro ou o exercício de forma automática para os contratos fora do dinheiro. Para a B3, esta medida gera maior tranquilidade, com as atenções voltadas para a tomada de decisão e sem movimentação do preço.

Para Campos, a chance de erros ou enganos no processo com as mudanças é praticamente nulo, já que a mudança foi anunciada há dois anos, um tempo relevante para o mercado se ajustar.

PUBLICIDADE