PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Febraban: bancos acreditam que Copom fez ajuste e sinalizações adequados à Selic

Matheus Piovesana

São Paulo

06/07/2021 11h00

O setor bancário acredita que a decisão de juros tomada na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), de alta de 0,75 ponto porcentual na taxa Selic, foi adequada, e que os juros devem chegar a 6,5% ao ano no final do atual ciclo de ajuste. As percepções estão na Pesquisa de Expectativas realizada pela Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), realizada em junho pela entidade.

Segundo a pesquisa, 94,1% dos participantes acreditam que a decisão do Copom foi adequada. Além disso, 70,6% deles viram como adequada a deliberação do Comitê de não antecipar uma alta maior da Selic na próxima reunião, mantendo a previsão de um ajuste de 0,75 p.p., o mesmo feito nos últimos encontros.

Ao todo, 18 bancos participaram do levantamento da Febraban, que é realizado a cada 45 dias, após as reuniões do Copom. A pesquisa colheu também as percepções das instituições sobre os patamares a que a taxa básica de juros da economia deve chegar no final do atual ciclo de ajustes. Todos os participantes acreditam que o Comitê deve levar a Selic ao menos até o chamado patamar neutro, estimado em 6,5% ao ano pelo Banco Central.

Para 76,5% dos entrevistados, a atual pressão da inflação deve contaminar o IPCA de 2022, mesmo com a elevação dos juros pelo Copom, mas 64,7% deles acreditam que um ajuste dos juros até 6,5% será suficiente para conter a alta de preços. Para 58,8%, o impacto da alta atual sobre a inflação futura será modesto. Apenas 17,6% acreditam que o choque será muito intenso, e que vai demandar uma maior elevação da Selic.

Também são maioria - 94,1% - os que acreditam que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve crescer 5% ou mais neste ano, sendo que 58,8% veem como mais provável um crescimento próximo a este número, e outros 35,3% acreditam que os sinais positivos na economia permitem prever um crescimento ainda maior.

Isso, no entanto, não significa que a carteira de crédito crescerá no mesmo ritmo observado até aqui: 46,7% dos entrevistados pela Febraban acreditam que a carteira de crédito para empresas deve ter mais desacelerações no crescimento, e 40,4% acreditam que o crescimento do PIB deve ajudar a sustentar as altas. Para o time dos "pessimistas", pesam o fim de programas públicos de crédito, o aquecimento do mercado de capitais e o caixa forrado das grandes empresas.

Na carteira total, a pesquisa da Febraban aponta a expectativa de crescimento de 10,3% neste ano, ante os 8,2% esperados na pesquisa de maio. O BC prevê alta de 11,1%, e no momento, a carteira tem se expandido a um ritmo de 16,1% em base anual, o que, segundo a federação, indica que há espaço para novas revisões positivas.

A reedição do Pronampe, programa de crédito para pequenas e médias empresas, pode ter motivado a melhoria nas projeções. A maior revisão para cima, segundo a Febraban, foi na carteira de crédito direcionado, que passou a ter previsão de alta de 8,2%, ante os 5,2% observados em maio. A resiliência dos créditos imobiliário e rural também contribuiu para a alta.

Na carteira livre, os bancos projetam em média alta de 11,2%, ante os 10,1% apontados na pesquisa de maio. A alta veio tanto das projeções para a carteira de empresas quanto para a de pessoas físicas, e em ambas, as expectativas aumentaram devido à previsão de que a recuperação da economia será mais sustentável no segundo semestre.

As previsões para a inadimplência mostram sentidos divergentes. Na carteira livre, a projeção para 2021 caiu em 0,1 p.p. em relação à pesquisa anterior, para 3,5%, e para 2022, ficou estável em 3,7%, ambos os números menores que os de antes da pandemia, de 4%. Já na carteira total em 2022, espera-se inadimplência de 7,7%, ante os 6,9% da pesquisa anterior.