PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

IPC-S acelera a 0,92% em julho, após 0,64% em junho, revela FGV

Guilherme Bianchini

São Paulo

02/08/2021 08h54

O Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) registrou avanço a 0,92% no fechamento de julho, após alta de 0,64% em junho e de 0,90% na terceira quadrissemana do mês. A informação foi divulgada nesta segunda-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador acumulou alta de 8,76% nos 12 meses até julho, maior que o avanço de 8,29% ocorrido nos 12 meses até junho.

O resultado mensal veio dentro da mediana da pesquisa Projeções Broadcast. O intervalo das apostas ia de 0,90% a 0,95%.

Das oito categorias de despesas que compõem o indicador, quatro registraram acréscimo na variação da terceira quadrissemana de julho para o fechamento do mês, com destaque para Habitação, que avançou de 1,77% para 2,09%. Em junho, a taxa havia sido de 0,89%. Nessa classe de despesa, a FGV destaca o comportamento da tarifa de eletricidade residencial, cuja variação passou de 6,28% para 7,80% na comparação quadrissemanal.

Transportes (0,74% para 0,85%), Alimentação (0,70% para 0,78%) e Saúde e Cuidados Pessoais (-0,06% para 0,00%) também apresentaram aceleração ante a terceira quadrissemana de julho. Nesses conjuntos de preços, os itens mais influentes foram gasolina (1,47% para 1,85%), hortaliças e legumes (-3,94% para -0,17%) e artigos de higiene e cuidado pessoal (0,96% para 1,22%).

Já os grupos Educação, Leitura e Recreação (2,37% para 1,42%), Vestuário (0,20% para 0,08%), Comunicação (0,00% para -0,09%) e Despesas Diversas (0,05% para 0,02%) caminharam em sentido oposto. Pela ordem, nessas classes de despesa, houve maior contribuição dos preços de passagem aérea (22,46% para 13,11%), roupas masculinas (0,76% para 0,31%), mensalidade para TV por assinatura (-0,16% para -0,38%) e tarifa postal (0,75% para 0,00%).

Influências individuais

Os itens que mais pressionaram para cima a variação do IPC-S do fechamento de julho foram tarifa de eletricidade residencial (6,28% para 7,80%), passagem aérea (22,46% para 13,11%) e gasolina (1,47% para 1,85%). Condomínio residencial (1,74% para 2,01%) e gás de bujão (4,16% para 4,84%) completam a lista.

Já os maiores alívios vieram dos itens plano e seguro de saúde (-1,27% para -1,27%), batata inglesa (-15,56% para -13,33%) e cebola (-13,66% para -13,58%), seguidos por etanol (-1,39% para -1,62%) e arroz (-1,71% para -1,92%).

PUBLICIDADE