PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Bolsonaro diz que CLT é 'rígida' e defende revisão para gerar empregos

"Como gera emprego com uma CLT tão rígida dessa forma?", indagou Bolsonaro a apoiadores - Mateus Bonomi/Agif - Agência de Fotografia/Estadão Conteúdo
'Como gera emprego com uma CLT tão rígida dessa forma?', indagou Bolsonaro a apoiadores Imagem: Mateus Bonomi/Agif - Agência de Fotografia/Estadão Conteúdo

Lorenna Rodrigues e Gustavo Côrtes

Em Brasília

26/08/2021 13h44Atualizada em 26/08/2021 19h09

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu a apoiadores a flexibilização da septuagenária CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas).

"Como gera emprego com uma CLT tão rígida dessa forma?", questionou Bolsonaro a apoiadores em frente ao Palácio do Alvorada, residência oficial, hoje.

Em 2017, no governo do ex-presidente Michel Temer, foi aprovada uma ampla reforma trabalhista com mudanças nas relações de trabalho.

Com 54 artigos alterados, 9 revogados e 43 criados, a reforma modificou cerca de 10% da legislação trabalhista — que, desde a sua criação, em 1943, já sofreu uma série de adaptações.

A expectativa do governo era de que a reforma gerasse empregos formais e reduzisse a informalidade. No entanto, com os efeitos da covid-19, nos dois anos, houve uma explosão do desemprego em nível recorde, ancorado principalmente no aumento da informalidade.

No mercado formal, com carteira de trabalho, os números são positivos, como consequência do programa que permite às empresas reduzirem jornada e salário ou suspenderem os contratos.

Apelo

Mais cedo, o ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, fez um "apelo" ao Senado para que aprove a MP (Medida Provisória) 1.045, que permitiu às empresas reduzirem jornada e salário ou suspenderem os contratos de trabalho durante a pandemia e na qual deputados incluíram um pacotão trabalhista que afrouxa regras de contratação de jovens e pessoas com mais de 50 anos, incluindo contratos sem carteira de trabalho.

Em entrevista coletiva para comentar o resultado do Cage (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), Onyx disse que a aprovação da MP é importante para permitir a qualificação de trabalhadores que hoje estão fora do mercado de trabalho. A MP, que deve vigorar por 120 dias, perde a validade no dia 7 de setembro.

"Esses programas falam de qualificação. Fica aqui o meu apelo público ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, para que ajude, para que mais de 3 milhões de famílias brasileiras possam ter oportunidade de buscar trabalho e possam ser qualificados para buscar melhor condição de vida para suas famílias", declarou o ministro.

'MP da Escravidão'

O "pacotão trabalhista" foi mal recebido por representantes dos trabalhadores, que apelidaram o texto de "MP da Escravidão".

Aprovado pela Câmara dos Deputados, o texto passou a incluir medidas que afrouxam regras de contratação de jovens e trabalhadores informais, com redução no FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).

Além disso, os deputados ainda aprovaram mudanças na forma como as empresas pagam horas extras para algumas categorias.

Entre as mudanças incluídas na MP, está a criação do Priore (Programa Primeira Oportunidade e Reinserção no Emprego), voltado a jovens de 18 a 29 anos no primeiro trabalho com carteira assinada e a pessoas com mais de 55 anos que estejam desempregadas há mais de 12 meses.

Pela proposta, esses contratos terão duração de até dois anos e os trabalhadores poderão receber até dois salários mínimos (R$ 2,2 mil).

Como incentivo para os empregadores, a alíquota do recolhimento do FGTS foi reduzida de 8% sobre o salário para 2% para microempresas, 4% para empresas de pequeno porte e 6% para as demais.

Se o texto for aprovado, além da remuneração paga pela empresa, o governo vai pagar diretamente ao trabalhador um bônus de até R$ 275 (o valor vai variar de acordo com a carga horária).

O texto cria ainda Requip (Regime Especial de Trabalho Incentivado, Qualificação e Inclusão Produtiva), voltado para garantir a qualificação profissional e a inclusão produtiva do jovem de baixa renda no mercado de trabalho.

Como não há vínculo formal de trabalho, o programa prevê o pagamento de uma bolsa (metade bancada pela empresa, metade pelo governo) que vai ser de até R$ 550. O valor também vai depender da carga horária.

O programa será voltado a jovens com idade entre 18 e 29 anos e pessoas sem vínculo registrado em carteira há mais de dois anos ou trabalhadores de baixa renda oriundos de programas federais de transferência de renda.

A jornada de trabalho poderá ser até 22 horas semanais, e as empresas terão que, obrigatoriamente, ofertar qualificação profissional aos bolsistas.

Ainda foi aprovada a criação da jornada complementar facultativa, apenas para atividades e profissões com carga horária diferenciadas por lei, como professores, advogados e jornalistas.

A medida permite que o expediente do trabalhador seja estendido até o limite máximo previsto na CLT, que é de oito horas diárias.

Esse tempo adicional de trabalho não será contabilizado como hora extra — será pago com acréscimo de 20%. Depois da jornada estendida, a empresa deve pagar horas extras seguindo as regras já em vigor: no máximo, duas horas extras por dia de trabalho e adicional de 50%.

PUBLICIDADE