PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Para BC, em relação à pandemia, estresse para sistema financeiro já passsou

Thaís Barcellos e Eduardo Rodrigues

São Paulo e Brasília

18/10/2021 12h33

O diretor de Fiscalização do Banco Central, Paulo Souza, afirmou nesta segunda-feira que o estresse ligado à pandemia de covid-19 "passou" para o sistema financeiro. "Neste ano, com a recuperação da economia superior a 5%, retomada de atividade e aquele período de estresse passando, principalmente com o avanço da vacinação, se abre um cenário bastante favorável", disse. "A não ser que surja nova cepa, algo que não está no cenário base, o estresse da pandemia passou. Mesmo sem programas emergenciais de auxílio ao crédito, o crédito está crescendo fortemente no caso de micro, pequenas e médias empresas", completou, citando que o sistema total está crescendo na faixa de 25% ao ano e de cooperativas de crédito, superior a 40%.

Contudo, Souza ponderou que surgem outras preocupações no cenário, como o risco fiscal e o aumento de juros longos. "Logicamente, se abre nova preocupação com toda questão fiscal e da curva de juros, com superação de dois dígitos na curva de 3 a 5 anos. É um ponto de atenção."

Endividamento

O diretor de Fiscalização do Banco Central afirmou também que a autarquia está sempre atenta ao aumento do endividamento, principalmente em um momento de elevação da taxa Selic.

Nesse sentido, Souza disse que eventuais renovações das operações pelas famílias com os juros mais altos podem ter impacto no comprometimento de renda. No ano passado, lembrou, os juros baixos ajudaram a mitigar a crise, sem comprometer a renda das famílias.

"O que poderia agravar essa situação seria uma nova crise. Um arrefecimento no crescimento do PIB ou até uma queda da atividade econômica, o que faz parte do teste de estresse do BC. Mas, mesmo em um cenário bastante adverso, ainda assim, em termos de estabilidade financeira, o sistema financeiro está preparado para absorver novos choques, se necessário", comentou Souza.

Em relação aos riscos políticos, o diretor admitiu que, ao que tudo indica, a eleição presidencial de 2022 será bastante acirrada, polarizada. "Um complicador maior é que, nesse período, há maior aversão a risco de famílias e empresas, o que prejudica a atividade econômica", reconheceu.

Comprometimento de renda

O diretor de Fiscalização do Banco Central afirmou ainda que, apesar de aumento do endividamento das famílias contumazes no crédito nos últimos meses, há redução do comprometimento de renda.

Em relação ao endividamento, desconsiderando o 1% com as menores e maiores dívidas, a média do endividamento em relação à renda anual é de 70%, devido ao crescimento do crédito imobiliário, rural e consignado, disse Souza, enquanto a mediana é de 30%.

O comprometimento de renda, por sua vez, tem mediana de 15% e média de 25%. "Os bancos têm por política evitar comprometimento de renda acima de 30% para evitar um aumento de inadimplência. Esse fenômeno mostra que, mesmo após a crise do ano passado, o comportamento da inadimplência tem se mantido de forma muito satisfatória."

Souza concede nesta segunda-feira entrevista coletiva sobre o Relatório de Estabilidade Financeira (REF) do Banco Central do primeiro semestre.

PUBLICIDADE