PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Governo confirma Auxílio de R$ 400 e promete reajuste de 20% para programa

Idiana Tomazelli e Eduardo Gayer

Brasília

20/10/2021 17h06

Após críticas por turbinar o Auxílio Brasil apenas com parcelas temporárias, o governo anunciou no período da tarde desta quarta-feira, 20, que dará um reajuste linear permanente de 20% em todos os benefícios e pretende zerar a fila do programa, hoje Bolsa Família, até dezembro deste ano. Mas o governo não desistiu de levar o benefício a R$ 400 em 2022, ano em que o presidente da República, Jair Bolsonaro, concorrerá à reeleição.

O compromisso com o pagamento dos R$ 400 a todas as 16,9 milhões de famílias que serão beneficiadas pelo Auxílio Brasil foi reafirmado nesta quarta pelo ministro da Cidadania, João Roma. Segundo ele, um benefício temporário será pago até dezembro do ano que vem para garantir que todos recebam esse valor.

Em pronunciamento no Palácio do Planalto, Roma não detalhou qual será a fonte de recursos para o reajuste permanente, nem como será viabilizado o pagamento do auxílio temporário.

"Não estamos aventando que o pagamento desses benefícios se dê por créditos extraordinários", disse o ministro.

Sempre que questionado sobre despesas fora do teto de gastos, a regra que limita o avanço das despesas à inflação, Roma citou compromisso do governo com "responsabilidade fiscal", mas não foi enfático sobre o teto.

O ministro da Cidadania ainda deixou claro que as negociações incluem conversas com o relator da PEC dos precatórios, Hugo Motta (Republicanos-PB). A proposta busca limitar o pagamento das dívidas judiciais para abrir espaço no Orçamento de 2022 e seria usada para permitir gastos do Auxílio fora do teto.

"O presidente Bolsonaro nos demandou que todos aqueles que fazem parte da pobreza e extrema pobreza, que estão no programa social através do cadastro único, através do sistema único de assistência social, que nenhuma dessas famílias beneficiárias receba menos de R$ 400", disse Roma, negando qualquer caráter eleitoreiro da medida. "O benefício transitório visa equalizar que nenhuma família receba menos de R$ 400."

O ministro prometeu que tudo será feito dentro das regras fiscais, mas não explicou a fonte de recursos para as parcelas temporárias sem furar o teto de gastos, como prometeu mais cedo o presidente Jair Bolsonaro em evento no Ceará. "Estamos tratando, área social e econômica, para que atendimento disso ocorra seguindo responsabilidade fiscal", afirmou.

O ministro da Cidadania disse também que o auxílio emergencial executou cerca de R$ 359 bilhões nesse período de 2020 e 2021 e ajudou a oferecer dignidade aos brasileiros em um contexto de crise.

PUBLICIDADE