PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Na pandemia, BCs se prepararam para depressão que não veio, diz Campos Neto

Segundo Campos Neto, os bancos centrais e os mercados se prepararam no ano passado para uma depressão econômica que não veio - Marcos Corrêa/PR
Segundo Campos Neto, os bancos centrais e os mercados se prepararam no ano passado para uma depressão econômica que não veio Imagem: Marcos Corrêa/PR

Thaís Barcellos e Eduardo Rodrigues

Brasília

14/12/2021 13h06

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto (BC), argumentou nesta terça-feira, 14, que os bancos centrais e os mercados se prepararam no ano passado para uma depressão econômica que não veio.

"Veio uma recessão. Tivemos um conjunto robusto de medidas de enfrentamento à pandemia que foi muito coordenado. Houve um esforço fiscal (global) muito grande de US$ 9 trilhões em cima de um PIB de US$ 84 trilhões em 2020", afirmou, em debate sobre política monetária realizado pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Ele voltou a alegar que se esperava que a inflação de bens durante a pandemia fosse temporária, com o reequilíbrio com a demanda de serviços a partir da reabertura das economias. "Com a reabertura, esperava-se que a inflação de bens caísse. A demanda por serviços de fato se reequilibrou, mas a demanda por bens mais contínua e mais forte", destacou.

Campos Neto citou a demora na entrega de produtos para apontar a disrupção nas cadeias de produção ainda não se resolveu, sobretudo nos países avançados.

"Essa presunção de que a inflação ocorre por interrupção de oferta não se mostrou verdadeira. Produção de bens que estão faltando - como semicondutores - só subiu desde a pandemia. O gráfico mostra um grande impulso na demanda, mas nenhuma queda na oferta", explicou o presidente do BC. "Os gargalos estão muito relacionados com o padrão de consumo com lugares em que auxílios foram maiores", acrescentou.

Autorização para QE

Campos Neto disse ainda que a autorização para que o órgão usasse o chamado Quantitative Easing (QE) durante a pandemia não tinha objetivo de expandir a base monetária, mas, sim, como estabilidade financeira. O BC não chegou a realizar esse tipo de intervenção no mercado de títulos em 2020.

"O BC é como uma caixa de ferramentas. Às vezes, o fato de ter uma arma ou uma ferramenta mais poderosa, faz com que o inimigo tenha um comportamento diferente. Algumas ferramentas têm esse poder de influenciar nas expectativas e você espera que elas nunca sejam usadas", afirmou o presidente do BC.

Campos Neto avaliou que as medidas de liquidez para que os bancos pudessem comprar instrumentos privados livrou o BC da necessidade de atuar por conta própria no mercado. "Os bancos passaram a precificar esse crédito privado de forma diferente e isso gerou um movimento de fomentar a securitização", completou.

PUBLICIDADE