PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Crédito imobiliário atinge R$ 17,5 bi em novembro; alta é de 26,8% em um ano

São Paulo

21/12/2021 17h29

Os financiamentos para a compra e a construção da casa própria atingiram R$ 17,5 bilhões em novembro, montante 2,3% superior ao de outubro e 26,8% maior que o de novembro de 2020. O volume acumulado de janeiro a novembro de 2021 atingiu R$ 189,40 bilhões, alta de 77,8% em relação a igual período do ano passado.

Nos 12 meses compreendidos entre dezembro de 2020 e novembro de 2021, o montante financiado somou R$ 206,86 bilhões, alta de 79,6% em relação aos 12 meses anteriores.

Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 21, pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). Os números consideram apenas os empréstimos bancários com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), que atendem principalmente o mercado de imóveis de médio e alto padrão.

Ficam de fora desta pesquisa as operações com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que abastece o programa Casa Verde e Amarela (CVA).

Quantidade de moradias

Em termos de unidades, foram financiados em novembro 69,9 mil imóveis, resultado 1,7% menor que o de outubro, mas superior em 51,1% se comparado ao de novembro do ano passado.

Entre janeiro e novembro de 2021, foram financiados 804,3 mil imóveis, resultado 116,9% superior ao de igual período do ano passado.

No último período de 12 meses, entre dezembro de 2020 e novembro de 2021, o número de unidades financiadas foi de 860,19 mil, resultado 113,7% superior ao dos 12 meses anteriores.

Ranking dos bancos

No mês de novembro, a Caixa Econômica Federal concedeu R$ 8,049 bilhões em financiamentos, liderando o mercado. Na sequência vieram Itaú Unibanco (R$ 3,693 bilhões), Bradesco (R$ 2,795 bilhões) e Santander (R$ 1,319 bilhão).

No acumulado do ano, o ranking se manteve. A Caixa ofertou R$ 76,628 bilhões, seguida por Itaú Unibanco (R$ 48,081 bilhões), Bradesco (R$ 34,060 bilhões) e Santander (R$ 17,756 bilhões).

PUBLICIDADE