PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

PIB dos EUA em 2021 tem maior ritmo de crescimento desde 1984

Washington

27/01/2022 12h53

A economia dos Estados Unidos cresceu 5,7% no ano passado, recuperando-se com resiliência da devastadora recessão do coronavírus em 2020. O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano - a soma da produção total de bens e serviços no país - foi o mais forte desde o aumento de 7,2% em 1984, também após uma recessão.

O crescimento foi impulsionado por um aumento de 7,9% nos gastos do consumidor e um aumento de 9,5% no investimento privado. Nos últimos três meses de 2021, os gastos do consumidor aumentaram em um ritmo anual mais moderado de 3,3%. Mas o investimento privado disparou 32%, impulsionado por um aumento nos estoques das empresas, à medida que as empresas estocavam para atender à maior demanda dos clientes.

A economia encerrou 2021 crescendo a um ritmo anual de 6,9% de outubro a dezembro, informou o Departamento de Comércio na quinta-feira, mais rápido do que o esperado. No entanto, a expectativa é de que a economia deve desacelerar este ano, pressionada pela inflação e ainda dominada pelo número de casos de covid-19.

"A recuperação permaneceu robusta, mas a tendência no ritmo de ganhos de categorias cruciais como o consumo desacelerou", disse a consultoria Contingent Macro Advisors em nota de pesquisa. "Embora mais forte do que o esperado, o resultado ainda sustenta a noção de que o crescimento deve desacelerar constantemente ao longo de 2022."

Muitos economistas estão rebaixando as previsões para o trimestre de janeiro a março, refletindo o impacto da variante Ômicron. Para todo o ano de 2022, o Fundo Monetário Internacional previu que o crescimento do PIB do país diminuirá para 4%.

Muitas empresas dos EUA, especialmente restaurantes, bares, hotéis e locais de entretenimento, permanecem sob pressão da variante Ômicron, que manteve milhões de pessoas recolhidas em casa para evitar multidões.

Os gastos do consumidor, o principal motor da economia, podem ficar retraídos este ano pelo fim do programa de auxílio do governo às famílias, que alimentou a atividade em 2020 e 2021, mas foi encerrado no ano passado.

Além disso, o Federal Reserve deixou claro na quarta-feira que planeja aumentar as taxas de juros várias vezes este ano para combater a inflação mais alta em quase quatro décadas.

Esses aumentos das taxas de juros tornarão os empréstimos mais caros e podem desacelerar a economia este ano.

Forte crescimento já era esperado

Depois da recessão de 2020, uma recuperação saudável era esperada para 2021. Em 2020, o PIB americano registrou a queda mais acentuada desde o tombo de 11,6% em 1946, quando o país estava se desmobilizando após a Segunda Guerra Mundial.

A pandemia da covid-19 levou as autoridades a ordenar quarentenas a partir de março de 2020, obrigando a paralisação do comércio ou a redução do horário de funcionamento. As empresas cortaram 22 milhões de empregos. A economia mergulhou em uma profunda recessão. Mas taxas de juros superbaixas, enormes infusões de ajuda do governo - incluindo cheques de US$ 1.400 para a maioria das famílias - e, eventualmente, o lançamento generalizado de vacinas reviveram a economia americana.

Muitos consumidores recuperaram a confiança e os meios financeiros para sair e gastar novamente. O ressurgimento da demanda foi tão robusto, de fato, que pegou as empresas desprevenidas. Muitas delas tiveram dificuldades para adquirir suprimentos e para contratar trabalhadores para atender a um rápido aumento nos pedidos dos clientes.

Com muitas pessoas trabalhando remotamente, a escassez tornou-se especialmente aguda para bens residenciais, de eletrodomésticos a artigos esportivos e equipamentos eletrônicos. E com chips de computador escassos, os revendedores de automóveis ficaram desesperadamente com falta de veículos.

Fábricas, portos e pátios de carga ficaram sobrecarregados e as cadeias de suprimentos ficaram sobrecarregadas. A inflação começou a acelerar. Nos últimos 12 meses, os preços ao consumidor subiram 7% - a maior inflação desde 1982.

Alimentos, energia e automóveis estiveram entre os itens cujos preços mais subiram. No final do ano passado, a economia começou a mostrar sinais de fadiga. As vendas no varejo, por exemplo, caíram 1,9% em dezembro. E a manufatura desacelerou em dezembro para seu nível mais baixo em 11 meses, de acordo com o índice de manufatura do Institute for Supply Management.