PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Dirigente fala em normalizar taxas e que Fed pode elevar juros em 50 pontos-base

São Paulo

18/03/2022 17h26

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de Richmond, Thomas Barkin, afirmou nesta sexta-feira, 18, que a autoridade pode aumentar juros em 50 pontos-base se necessário para ancorar inflação, e que chegou hora de começar a normalizar as taxas nos Estados Unidos. Em discurso para a Associação de Banqueiros de Maryland, o dirigente avaliou que a economia não precisa mais de apoio agressivo do Fed, e que, em vez disso, precisa colocar a autoridade em posição de conter a inflação. "É nosso trabalho fazê-lo - o mandato do Fed exige que promovamos preços estáveis", afirmou.

Sobre o temor de que o aumento das taxas leve a economia a uma recessão, e que, com a alta dos preços da energia desde a invasão da Ucrânia, haja estagflação, Barkin afirmou que a "trajetória de juros que anunciamos esta semana não deve levar ao declínio econômico. Ainda estamos longe do patamar de taxas que constrange a economia".

"O pior da pandemia ficou para trás e estamos 22 meses na recuperação mais rápida de nossa memória", avalia o dirigente. Até o final deste trimestre, o PIB dos EUA provavelmente ultrapassará não apenas seu nível pré-pandemia, mas talvez também sua linha de tendência pré-pandemia, projeta Barkin. "Os gastos do consumidor são fortes, o investimento empresarial é saudável e o mercado imobiliário está aquecido", aponta ainda.

Segundo o dirigente, um dos efeitos das ações do Fed é por conta de indivíduos e empresas criarem expectativas sobre a inflação futura. "As empresas então tomam suas decisões de preços e remuneração - e os indivíduos tomam suas decisões de compra e contratação no contexto dessas expectativas", aponta. "Se o Fed fizer sua parte para controlar a inflação, as expectativas e os aumentos de preços e salários permanecem estáveis e ancorados", resumiu.

Segundo ele, os movimentos no balanço patrimonial do Fed podem reforçar a trajetória de normalização, e uma redução deverá começar em breve.

Para Barkin, as compras de ativos reduziram as taxas de forma modesta, e as reduções devem ter um efeito simétrico e aumentar modestamente as taxas de médio prazo, apoiando assim a trajetória de juros desejada.