PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Com alta em cotações, premiê da Itália diz que teto para preço de gás é possibilidade na UE

O primeiro-ministro da Itália, Mario Draghi, participa do segundo dia de uma cúpula da União Europeia - John Thys/AFP
O primeiro-ministro da Itália, Mario Draghi, participa do segundo dia de uma cúpula da União Europeia Imagem: John Thys/AFP

Matheus Andrade

São Paulo

25/03/2022 18h14Atualizada em 25/03/2022 18h41

O presidente do conselho de ministro da Itália, Mario Draghi, afirmou nesta sexta-feira (25), que o Conselho Europeu observa a possibilidade de um teto para o preço do gás na União Europeia.

Em coletiva de imprensa após a reunião de chefes de Estado e de governo do bloco, o italiano destacou que o encontro focou sua discussão em energia, e que foi tratado como mitigar a alta dos preços para empresas e famílias.

Segundo Draghi, a Comissão Europeia irá discutir opções e definir uma proposta "adequada" até maio. Entre as ideias, está descompactar a formação do preço da eletricidade e do gás, além de uma taxação de lucros excessivos no setor.

De acordo com ele, ministros de energia do bloco participarão de reunião com líderes de empresas do setores de eletricidade e de hidrocarbonetos, visando uma postura conjunta.

Draghi apontou que o presidente francês Emmanuel Macron propôs um fundo como para energia e defesa, com "intenção de financiar infraestrutura necessária". Segundo ele, o destaque está em investir em diversificação e interconexão.

Um dos exemplos citados é a Península Ibérica, que está "desconectada do continente", disse. Em sua visão, as obras não servirão apenas para gás, mas também para hidrogênio, o que leva em conta a sustentabilidade.

Sobre o acordo com os Estados Unidos para fornecimento de gás, Draghi disse que o presidente Joe Biden "está ciente de que as sanções atingem mais os países europeus".

"Os EUA prometeram ajudar a Europa", afirmou, dizendo que há responsabilidade pela parte de Washington. Segundo ele, a primeira ação é o despacho de 15 bilhões de metros cúbicos de gás liquefeito, o que é 10% do consumo de toda a UE.

Sobre a exigência russa de pagamentos por hidrocarbonetos em rublos, Draghi reafirmou que é uma violação de contrato, o que é a posição comum do bloco, indicou. Levando o tema em conta, o italiano citou a proposta da Comissão Europeia para a aquisição em conjunto dos produtos, em uma coordenação com a UE, o que colocaria o bloco em vantagem.