PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

IBGE: Produção industrial sobe em 9 de 15 locais em março ante fevereiro

Melhor resultado foi registrado em São Paulo, onde a produção saltou 8,4% - Divulgação
Melhor resultado foi registrado em São Paulo, onde a produção saltou 8,4% Imagem: Divulgação

No Rio de Janeiro

10/05/2022 10h11Atualizada em 10/05/2022 10h13

A produção industrial avançou em 9 dos 15 locais pesquisados na passagem de fevereiro para março, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional, divulgados hoje pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Em São Paulo, maior parque industrial do país, a produção saltou 8,4%.

O segundo melhor desempenho entre as regiões pesquisadas pelo IBGE foi o do Ceará, onde a atividade industrial cresceu 3,8% sobre fevereiro.

Também houve crescimento nas indústrias de Mato Grosso (2,8%), Minas Gerais (2,4%), Rio de Janeiro (2,1%), Amazonas (1,8%) e Paraná (0,6%), Amazonas (0,3%) e Bahia (0,1%).

Na contramão, a produção caiu, na comparação de março com fevereiro, em Santa Catarina (-3,8%), Pará (-3,3%), Espírito Santo (-3,0%), Pernambuco (-1,1%), Rio Grande do Sul (-0,3%) e Goiás (-0,2%).

Na relação à média móvel trimestral, disse o IBGE, sete dos 15 locais pesquisados apontaram taxas negativas no trimestre terminado em março, com destaque para Amazonas (-2,5%), Paraná (-2,1%) e Goiás (-1,9%).

Comparação com março de 2021

De acordo com o IBGE, a produção industrial recuou em 7 dos 15 locais pesquisados em março de 2022 ante março de 2021. Em São Paulo, a atividade ficou na contramão da média nacional e avançou 2,9%.

No agregado nacional, a produção industrial caiu 2,1% ante março de 2021, como revelou o IBGE na semana passada. Em nota, o órgão federal ponderou que março deste ano (22 dias) teve um dia útil a menos do que igual mês do ano anterior (23 dias).

Os piores desempenhos na comparação de março com igual mês de 2021 foram vistos em Santa Catarina (-9,8%), Pará (-7,2%) e Amazonas (-4,1%), afirmou o IBGE.

"A queda em Santa Catarina foi pressionada principalmente pelo comportamento negativo dos setores de máquinas e equipamentos; máquinas, aparelhos e materiais elétricos e produtos têxteis. No Pará, o recuo foi afetado por quedas nas indústrias extrativas e metalurgia. Já o Amazonas recuou devido à retração de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos e máquinas e equipamentos", pontuou o IBGE em nota.

Também registraram queda na produção industrial Pernambuco (-2,9%), Paraná (-2,8%), Espírito Santo (-2,3%) e Goiás (-1,9%).

Na contramão, além de São Paulo, Mato Grosso teve o melhor desempenho na comparação de março com igual mês de 2021. A produção saltou 22,9%.

Segundo o IBGE, o movimento foi "impulsionado, em grande parte, pelo comportamento positivo vindo das atividades de produtos alimentícios e de bebidas".