PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Guerra atrapalha transição para fonte de energia limpa, alertam líderes em Davos

Davos

26/05/2022 14h02

A pior crise energética em meio século está atrapalhando a transição no Ocidente para fontes de energia mais limpas, proporcionando um novo impulso para investir em combustíveis fósseis, disseram líderes empresariais e governamentais no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça. Os esforços na Europa para se reduzir a dependência da energia da Rússia após o ataque do país à Ucrânia levará a novos investimentos de curto prazo em carvão, petróleo e gás natural, disseram autoridades do governo e energia.

Mas alguns líderes em Davos alertaram que a crise também pode dar aos produtores uma abertura para investir no tipo de projetos de combustível fóssil de longo prazo que os governos ocidentais vêm desencorajando, à medida que os países buscam reduzir as emissões de gases de efeito estufa ligadas às mudanças climáticas.

Segundo eles, esse quadro pode dificultar o alcance das metas do Acordo de Paris internacional, que busca manter o aumento da temperatura global abaixo de 2ºC em relação aos níveis pré-industriais.

"É legítimo fornecer segurança energética e abordar esta questão de emergência imediata", disse diretor executivo da Agência Internacional de Energia (AIE), Fatih Birol. "No entanto, isso não deve ser confundido com fazer uma nova onda de investimentos em combustíveis fósseis em grande escala", advertiu.

O presidente da Siemens Energy, Joe Kaeser, disse que está ouvindo ideias sobre energia que ele pensava estarem superadas há muito tempo. "Vemos muitas pessoas falando sobre muitas coisas que eu nunca imaginaria que estariam de volta à mesa", ressaltou ele, "como perfurar no Mar do Norte".

O que distingue o contexto atual de outros choques históricos, como as crises do petróleo dos anos 1970, é a alta sincronizada dos preços do petróleo, do gás natural e do carvão.

Os preços da energia já estavam altos em meio à demanda sobrecarregada após o relaxamento das restrições contra a covid-19 em todo o mundo. A invasão russa da Ucrânia agravou isso.