PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Dívida bruta está se aproximando do pré-pandemia, diz presidente do BC

Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto - ADRIANO MACHADO
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto Imagem: ADRIANO MACHADO

Eduardo Rodrigues e Thaís Barcellos

Brasília

31/05/2022 16h44Atualizada em 31/05/2022 17h09

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, repetiu nesta terça-feira, 31, os elogios à performance fiscal do governo. "No curto prazo temos tido surpresas positivas consecutivas no fiscal. Estamos falando de chegar a uma dívida bruta muito próxima do pré-pandemia após um programa enorme do governo no começo da pandemia. Isso mostra o enorme esforço fiscal do governo", afirmou, em audiência pública extraordinária na Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados.

Campos Neto voltou a avaliar que o Brasil continua pagando um alto prêmio de risco fiscal porque o mercado avalia que o panorama fiscal de curto prazo depende de uma melhor perspectiva da capacidade de crescimento da economia nos anos à frente.

"Parte do problema fiscal hoje não é de curto prazo. Mas os investidores precisam enxergar uma forma de o Brasil ter um crescimento estrutural de longo prazo", reafirmou o presidente do BC. "Mesmo após todas as reformas que fizemos, as pessoas acham que o crescimento estrutural do Brasil caiu. Isso pode significar que há mais reformas ainda a serem feitas", completou.

Energia e alimentos

O presidente do Banco Central repetiu também que o Brasil tem a oportunidade de ser um grande fornecedor não só de alimentos e energia, mas também de insumos para as indústrias de bens do mundo ocidental.

"No afã de ter segurança alimentar e energética para sua população, os governos estão se fechando e se distanciando das práticas de mercado. No fim das contas, quem produz energia e alimentos não são os governos, mas sim as empresas privadas. É superimportante entender que se cada um for se fechar e esquecer a cadeia global de valor, podemos ter um problema muito mais grave de energia e alimentos nos próximos anos", afirmou Campos Neto.

Autonomia do BC

O presidente do Banco Central avaliou também que as medidas duras tomadas pela autoridade monetária no atual ciclo de alta de juros têm mais credibilidade devido à autonomia do órgão aprovada no ano passado.

"O timing da autonomia do BC foi muito bom. As pessoas sabem que não é uma ação política, mas sim uma ação pelo País. Uma parte do nosso trabalho acaba freando a economia, mas queremos fazer isso com o mínimo de ruptura no tecido social e de impacto para o setor produtivo", afirmou Campos Neto.