IPCA
0,46 Jul.2024
Topo

Fed: Kashkari indica possibilidade de manter juros inalterados em junho

Washington

21/05/2023 15h56

O presidente da distrital do Federal Reserve (Fed) em Minneapolis, Neel Kashkari, indicou neste domingo, 21, que pode apoiar a manutenção dos juros no nível atual (entre 5,00% e 5,25%) na próxima reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês), para dar ao banco central americano mais tempo para avaliar os efeitos do aperto monetário e as perspectivas de inflação.

"Estou aberto à ideia de que podemos nos mover um pouco mais devagar a partir daqui", disse ele em entrevista na sexta-feira, 19.

Kashkari, no entanto, explicou que isso não significa que o trabalho de combate à inflação acabou. "Eu me oporia a qualquer tipo de declaração de que terminamos. Se o comitê optar por pular uma reunião porque queremos obter mais informações, eu poderia argumentar por que isso faz sentido", ressaltou. "Pular um encontro para obter mais informações é muito diferente, em minha mente, do que dizer 'Ei, achamos que terminamos'.", reforçou.

O dirigente, que tem direito a voto nas reuniões deste ano do FOMC, ressaltou que monitoria impacto tardio dos rápidos aumentos de juros do Fed e a possível crise de crédito decorrente dos custos mais altos de financiamento bancário após a quebra de três credores de médio porte desde março.

Além disso, embora a inflação não esteja caindo tão rapidamente quanto as autoridades esperavam, "ela parece estar caindo", disse Kashkari. "Pelo menos não está piorando. E então você adiciona as incertezas sobre o setor bancário. As tensões realmente ficaram para trás? Ainda há mais tensões para surgir? Acho que isso nos dá algum motivo para dizer: 'Ei, vamos um pouco mais devagar.'"

Kashkari disse não ver evidências de uma crise de crédito em seu distrito do Fed, que inclui os Estados americanos de Montana, Dakota do Norte, Dakota do Sul, Minnesota e partes de Wisconsin e Michigan.

Mas sua experiência no Departamento do Tesouro durante a crise financeira de 2008 o tornou humilde o suficiente para reconhecer que "essas tensões bancárias não estão necessariamente completamente para trás", disse ele. "E pode ser que, quando essas tensões surgirem, elas se tornem sérias o suficiente para realmente prejudicar significativamente a atividade econômica".

Os bancos estão enfrentando perdas com títulos de taxa fixa que adquiriram quando as os juros estavam em níveis muito baixos em 2021, embora não precisem reconhecer perdas de caixa se os investimentos forem mantidos até o vencimento. A curva de juros invertida, na qual os rendimentos são mais altos em dívidas de curto prazo do que em títulos de longo prazo, pode prejudicar a capacidade dos bancos de emprestar com lucro.

"Não há dúvida de que uma curva de rendimento invertida não funciona para os bancos. Ela viola os fundamentos de seus modelos de negócios e, quanto mais invertida, mais desafiador o ambiente se torna para os bancos", disse Kashkari.

A gravidade dessas tensões está ligada às perspectivas de inflação, disse Kashkari. Se a inflação desacelerar rapidamente, o Fed poderá reduzir as taxas de juros no início do próximo ano, o que aliviaria a pressão sobre os bancos. Se a inflação alta for mais persistente, no entanto, e exigir que o Fed mantenha as taxas em níveis mais altos por mais tempo ou continue a aumentá-las, então os estresses do setor bancário "provavelmente se tornarão mais sérios".