IPCA
0,46 Jul.2024
Topo

Fed deve ter de subir os juros mais 2 vezes para conter a inflação nos EUA, diz dirigente

São Paulo

22/05/2023 10h36

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de St. Louis, James Bullard, afirmou nesta segunda-feira, 22, que a instituição deve ter de subir os juros mais duas vezes neste ano, a fim de conter a inflação. Bullard considerou que as projeções de queda rápida da inflação "até agora não se concretizaram", enquanto o núcleo dos preços "não tem mudado muito nos últimos meses" e o mercado leva para cima expectativas de inflação, o que justifica o maior aperto monetário.

Sem direito a voto nas decisões de política monetária deste ano, o dirigente respondeu a questões nesta segunda, no Fórum Financeiro da American Gas Association.

Ele afirmou que seu cenário base é de "crescimento relativamente fraco" nos EUA, neste ano e no próximo, e acrescentou achar "exageradas" as projeções de recessão. Bullard avaliou que o mercado de trabalho segue "forte", embora dê sinais de desaceleração. "Estamos em ótima forma, na economia em geral", disse.

Bullard vê como risco que a inflação elevada perdure por muito tempo, o que forçará um aperto ainda mais duro adiante na política monetária.

Questionado sobre a posição dominante do dólar no mundo, ele comentou sobre algumas alternativas, mencionando o euro e também o yuan, mas disse considerar que não vê essa posição do dólar ameaçada e que esse quadro não deve mudar em breve.

Indagado sobre o impasse para elevar o teto da dívida do governo federal norte-americano, Bullard disse que um projeto de lei sobre o tema terá de ser aprovado. Ele advertiu que "um default ou mesmo a ameaça disso é contraproducente", provocando por exemplo que os EUA tenham de pagar juros mais altos na sua dívida adiante.

Sobre o quadro geopolítico global, Bullard afirmou que um tema bastante importante neste momento é o "desacoplamento" das economias de EUA e China. Sobre a Rússia, avaliou que o país decidiu não fazer parte do projeto europeu, no contexto da guerra da Ucrânia.

Questionado sobre o setor bancário norte-americano, ele considerou que "até agora, está tudo bem" com esse segmento da economia, mas insistiu na importância de que reguladores continuem a monitorar de perto a situação.

Para ele, o caso do Silicon Valley Bank (SVB), que quebrou, é "bem pouco usual" em suas características, em relação ao setor bancário dos Estados Unidos.