Número de milionários quase dobra no Brasil, mostra relatório

O Brasil foi o país que mais ganhou milionários de 2021 para 2022, segundo o Global Wealth Report 2023 (Relatório de Riqueza Global 2023, em português), divulgado pelo banco Credit Suisse e pelo UBS. O País viu o número de indivíduos com riqueza acima de US$ 1 milhão passar de 293 mil em 2021 para 413 mil no ano passado.

A "riqueza" é definida como o valor dos ativos financeiros mais os ativos reais (principalmente moradias) de propriedade das famílias, menos suas dívidas. Além do Brasil, Irã, Noruega, México e Rússia completam a lista de países que mais ganharam milionários no período.

Considerando o mundo todo, no entanto, os números vão na contramão: ao fim de 2022, havia cerca de 59,4 milhões de milionários no mundo, 3,5 milhões a menos que no ano anterior. Esse total inclui 4,4 milhões de "milionários da inflação", que não se qualificariam mais se o valor mínimo fosse ajustado pela inflação.

O relatório ainda aponta que a riqueza global caiu pela primeira vez em 2022 desde a crise financeira de 2008.

Em termos nominais, a riqueza privada líquida total caiu US$ 11,3 trilhões (-2,4%) para US$ 454,4 trilhões no fim do ano passado. O número de indivíduos com patrimônio acima de US$ 50 milhões, os super-ricos, também caiu: havia 243.060 membros desse grupo no fim de 2022, 22.500 menos que no ano anterior.

"A evolução da riqueza provou ser resiliente durante a era do covid-19 e cresceu em um ritmo recorde em 2021. Mas a inflação, o aumento das taxas de juros e a depreciação da moeda causaram uma reversão em 2022", diz o relatório.

O levantamento projeta que a riqueza global deve aumentar 38% nos próximos cinco anos, atingindo US$ 629 trilhões até 2027, impulsionada, principalmente, por países de renda média.

No mesmo ano, o número de milionários deve chegar a 86 milhões e o de super-ricos deve aumentar a 372 mil.

Deixe seu comentário

Só para assinantes