Na medida em que Pix cresce, gera bancarização e formalização do trabalho, afirma Campo Neto

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, levou a agenda de inovação da autarquia para um fórum sobre inteligência artificial na capital paulista, reforçando o objetivo de digitalização das intermediações financeiras para ampliar seu acesso, reduzir custos e aumentar a competição entre bancos.

Ao falar do Pix durante debate sobre inteligência artificial da Fundação Milton Campos (FMC), braço de estudos políticos do partido Progressistas, Campos Neto ressaltou que a plataforma de pagamentos instantâneos gerou bancarização, ao mesmo tempo em que vem contribuindo para a formalização da mão de obra.

"À medida que o Pix cresce, o número de contas abertas também cresce", afirmou o presidente do BC.

A partir da conclusão de que as movimentações financeiras evoluem em direção a sistemas tokenizados - ou seja, de representação digital dos ativos -, Campos Neto contou que o BC buscou se antecipar à tendência, apressando o lançamento do Pix na pandemia.

Agora, continuou, Pix, open finance (sistema de compartilhamento de dados financeiros) e real digital entram numa fase de integração.

Deixe seu comentário

Só para assinantes