Confiança Empresarial sobe 0,8 ponto em agosto ante julho, para 94,8 pontos, afirma FGV

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) subiu 0,8 ponto em agosto ante julho, para 94,8 pontos, recuperando-se da perda de 0,5 ponto do mês anterior, informou nesta sexta-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV).

"Os segmentos mais cíclicos da economia, responsáveis por cerca de 2/3 do PIB nacional, seguem apresentando números que sugerem um ritmo fraco de atividade no terceiro trimestre, com destaque negativo para a Indústria e positivo para os Serviços, cujos indicadores ainda retratam uma situação de normalidade mesmo após a discreta queda da confiança deste setor em agosto", avalia Aloisio Campelo Júnior, superintendente de Estatísticas Públicas do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

Em relação aos próximos meses, Campelo Júnior ressalta que houve melhora das expectativas para a demanda no horizonte de três meses, "mas as previsões para a evolução da situação dos negócios seis meses à frente ainda revelam preocupação e cautela."

O Índice de Confiança Empresarial reúne os dados das sondagens da Indústria, Serviços, Comércio e Construção. O cálculo leva em conta os pesos proporcionais à participação na economia dos setores investigados, com base em informações extraídas das pesquisas estruturais anuais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a FGV, o objetivo é que o ICE permita uma avaliação mais consistente sobre o ritmo da atividade econômica.

O Índice de Situação Atual Empresarial (ISA-E) caiu 0,4 ponto em agosto ante julho, para 93,6 pontos.

Já o Índice de Expectativas (IE-E) aumentou 0,6 ponto, para 95,2 pontos. Entre os quesitos do IE, houve avanço apenas nas expectativas para a demanda no horizonte de três meses, que avançou 1,0 ponto. O ímpeto de contratações nos três meses seguintes recuou 0,6 ponto, e a tendência dos negócios seis meses à frente caiu 0,1 ponto.

Na passagem de julho para agosto, a confiança dos serviços caiu 0,6 ponto, para 97,4 pontos; a do comércio avançou 2,2 pontos, para 93,8 pontos; a da indústria teve redução de 0,5 ponto, para 91,4 pontos; e a construção aumentou 0,7 ponto, para 95,9 pontos.

Em agosto, a confiança avançou em 51% dos 49 segmentos integrantes do ICE.

A coleta do Índice de Confiança Empresarial reuniu informações de 3.970 empresas dos quatro setores entre os dias 1º e 28 de agosto.