Não se pode errar a mão e demorar a cortar juros se está tudo bem, diz Tebet

A ministra do Planejamento, Simone Tebet, reforçou os pedidos do governo para que o Banco Central reduza a taxa básica de juros, a Selic, citando como justificativa os sinais de melhora na economia. "Precisamos baixar os juros. Não de forma artificial, sou a favor da autonomia do BC, mas temos que perceber que se tudo está correndo bem, se errar na mão e não fazer os juros caírem de forma rápida, a gente coloca um baita freio no crescimento", disse, em entrevista à BandNews.

Na última reunião de política monetária, o Copom cortou a Selic em 0,50 ponto porcentual, para 13,25% ao ano, e indicou que fará um corte da mesma magnitude na taxa na próxima reunião do grupo, nos dias 19 e 20 de setembro.

O mercado financeiro, no entanto, pondera se pode haver mudança no ritmo de queda, dada a expectativa crescente de fim do aumento nos juros norte-americanos este ano, que é contrabalançada por dados sobre a economia brasileira que apontaram repique da inflação oficial, queda na taxa de desemprego e aumento maior que o previsto no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre.