Riscos dos criptoativos exigem resposta política e regulatória abrangente, dizem FMI e FSB

Uma resposta política e regulatória abrangente é necessária para lidar com os riscos que os criptoativos representam para a estabilidade macroeconômica e financeira, apontam o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Conselho de Estabilidade Financeira (FSB, na sigla em inglês) em relatório divulgado nesta quinta-feira, 7.

As instituições defendem que as jurisdições devem salvaguardar a soberania monetária, fortalecer quadros de política monetária, se defender de volatilidade excessiva de fluxos de capital e adotar tratamento fiscal "não ambíguo" para criptoativos.

"A supervisão regulamentar e de supervisão abrangente dos criptoativos pode ajudar a enfrentar os riscos de estabilidade financeira e de integridade financeira, apoiando simultaneamente as políticas macroeconômicas", diz trecho do documento.

O relatório recomenda ainda que algumas jurisdições, em particular os mercados emergentes e em desenvolvimento, devem tomar medidas específicas adicionais que vão além da base regulatória global, a fim de abordar riscos específicos.