OMC defende 'reglobalização' em meio ao agravamento de tensões comerciais

Em um contexto de crescentes tensões geopolíticas, a Organização Mundial do Comércio (OMC) exorta a comunidade internacional a assegurar a "reglobalização", isto é, um renovado ímpeto em direção ao aprofundamento da integração comercial.

No relatório anual divulgado nesta terça-feira, 12, a OMC explica que preocupações sobre segurança têm exercido papel cada vez mais importante nas considerações sobre a política comercial, à medida que muitas países buscam reduzir a dependência de rivais geopolíticos.

A organização, no entanto, argumenta que a fragmentação da economia mundial seria a resposta inadequada para os desafios. Segundo o documento, o comércio global tende a reduzir os riscos de conflitos entre as nações e ajudou a reduzir a pobreza nas últimas décadas.

"Um sistema comercial multilateral forte e eficaz que restringe barreiras comerciais injustificáveis e oferece soluções pacíficas a resolução de litígios fornece a base necessária para mercados internacionais profundos e líquidos com relativamente poucas barreiras à entrada e diversificação", defendeu a diretora da OMC, Ngozi Okonjo-Iweala.

No entendimento da OMC, uma menor cooperação comercial aumentaria os custos econômicos e teria impacto desproporcional para grupos vulneráveis em países de menor renda. "Em vez disso, a reglobalização poderia ser uma solução mais adequada", ressalta a Organização.

A entidade acredita que o processo poderia ser acelerado pelo avanço da abertura do comércio de serviços, que ainda enfrenta restrições significativas em diversos setores. De acordo com a OMC, já houve progressos nessa área, como um acordo de 69 membros para a regulação de serviços domésticos.