Bancos dos EUA detêm US$ 1,2 tri em depósitos intermediados com risco se moverem rápido

No meio do ano, o Zions Bancorp informou deter US$ 8,5 bilhões em depósitos intermediados (brokered deposits), um produto obscuro, mas dispendioso do setor bancário e que está atraindo a atenção dos reguladores. Na mesma época de 2022, o banco com sede em Salt Lake City praticamente não detinha nenhum desse tipo de depósito.

Muitos participantes do setor bancário consideram os depósitos intermediados como uma faca de dois gumes. Eles podem ser uma maneira rápida e fácil de um banco reforçar seu balanço. Os depósitos são normalmente muito mais caros porque as instituições bancárias têm de pagar taxas de juro mais elevadas para atrair esses clientes, juntamente com outras tarifas. Os reguladores e os banqueiros dizem que são também um tipo de capital que pode se mover rapidamente, o chamado "hot money", e que tende a desaparecer quando um banco passa por uma fase difícil, uma vez que estes clientes que procuram rendimentos maiores não tendem a ser leais.

Os bancos dos EUA possuíam conjuntamente mais de US$ 1,2 trilhão em depósitos intermediados no segundo trimestre, de acordo com uma análise do Wall Street Journal com base em dados da Federal Deposit Insurance Corp (FDIC). O total representou um aumento de 86% em relação ao ano anterior.

Os depósitos intermediados são o que parecem: um banco pode recorrer a um corretor terceirizado, como Morgan Stanley ou Fidelity, para encontrar clientes para investir nos certificados de depósito de alto rendimento do banco. Isso permite que o banco receba grandes influxos de dinheiro de uma só vez, ao invés de cliente por cliente.

Muitos bancos acumularam depósitos intermediados, um sinal da tensão que continua a afligir muitas instituições que agora têm de competir por fundos de clientes que durante muito tempo consideraram garantidos.

Os depósitos intermediados quase duplicaram na Citizens Financial e na Ally Financial no segundo trimestre, em comparação com o ano anterior. Eles subiram ainda mais acentuadamente no M&T Bank, KeyCorp e Comerica. O Bank of America, o Wells Fargo e outros grandes bancos também atraíram mais desses depósitos.

Os instrumentos intermediados continuaram a representar uma porcentagem relativamente pequena do total de depósitos destes bancos. Mas em alguns bancos regionais menores, como o Associated Banc-Corp e o Valley National Bancorp, os depósitos intermediados representavam mais de 10% dos depósitos nacionais, um nível que pode deixar os reguladores cautelosos. O FDIC pode cobrar taxas de seguro mais elevadas de bancos que tenham elevadas concentrações de depósitos intermediados.

Quando as taxas de juros estavam baixas e o estímulo durante a pandemia estava no seu auge, os clientes inundaram os bancos com o seu dinheiro excedente. Mas agora que as taxas estão elevadas, e se espera que continuem altas, os clientes têm direcionado o dinheiro para outros locais para obterem rendimentos mais elevados. Os bancos, por sua vez, estão oferecendo juros para tentar manter os depósitos. Isso comprimiu as margens em todo o setor, especialmente nos pequenos bancos e até mesmo dos bancos regionais. As falências bancárias no início deste ano pressionaram ainda mais os bancos para acumularem dinheiro.

Os depósitos intermediados no Zions, um banco regional, representavam 11% de seus depósitos totais em 30 de junho. O presidente executivo da instituição, Harris Simmons, disse que o banco reduziu seus depósitos intermediados "substancialmente" das máximas, embora não tenha dado detalhes. O banco quer manter os custos de seguro baixos, disse.

"Usado com moderação, acho que é bastante aceitável", disse Simmons. "Existem limites para o que você gostaria de fazer."

Um porta-voz do Associated Bank disse que os depósitos intermediados "ofereceram uma economia convincente para o financiamento segurado e não garantido" e permitiram que o banco reduzisse seus empréstimos do sistema Federal Home Loan Bank. Um porta-voz do Valley National disse que os depósitos intermediados "provaram ser uma fonte estável e confiável de depósitos indiretos de clientes segurados pelo FDIC".

Os depósitos intermediados também aumentaram no Western Alliance Bank, com sede em Phoenix, em comparação com o ano anterior, subindo para bem acima de 10% do total de depósitos no banco.

"Achamos que é uma boa negociação para garantir a estabilidade da área de depósitos", disse o diretor financeiro Dale Gibbons, acrescentando que o banco começou a reduzir seus depósitos intermediados. "Fizemos isso realmente como parte de uma medida defensiva."

Os depósitos recíprocos, um tipo de depósito segurado por meio de uma rede de terceiros, também constituem uma pequena parcela do que o FDIC classifica como depósitos intermediados. Os depósitos recíprocos representaram uma grande parte dos depósitos intermediados pela Western Alliance no segundo trimestre.

As agências de avaliação de risco de crédito S&P Global e Moody's Investors Service apontaram os depósitos intermediados como fator para o rebaixamento de uma série de bancos regionais durante o verão no Hemisfério Norte. A Fitch Ratings disse considerar os depósitos intermediados como sendo de qualidade inferior.

"Eles podem apresentar risco de liquidez", disse Martin Gruenberg, presidente do FDIC, em teleconferência com repórteres na semana passada. Ele acrescentou que quaisquer concentrações "seriam uma questão de atenção por parte da supervisão".

Mas para alguns bancos, os depósitos intermediados podem ser uma forma rápida de obter recursos, pelo menos até que estejam disponíveis opções melhores.

O United Bankers' Bank, um correspondente bancário cujos clientes são outros bancos, aumentou os seus depósitos intermediados em mais de 500% no segundo trimestre. Os depósitos intermediados representavam cerca de metade do total de depósitos da instituição com sede em Bloomington, Minnesota, em comparação com 8% no mesmo período do ano anterior.

Isso permitiu ao UBB manter seus níveis de depósitos estáveis depois que alguns de seus clientes de bancos comunitários retiraram uma quantia "significativa" de suas contas, disse o presidente executivo, Dwight Larsen. Também era uma solução mais rápida do que oferecer produtos de alto rendimento e não exigia que o banco fornecesse garantias, como empréstimos do Federal Reserve ou do FHLB.

"Você paga um custo de fator de conveniência", disse Larsen. "Estamos em uma parte extrema do ciclo das taxas de juros neste momento."