Chance de juros altos por mais tempo nos EUA ameaça ações de tecnologia

As ações de tecnologia impulsionaram a recuperação do mercado americano em 2023 e tornaram-se cada vez mais caras durante o processo Agora, a crescente expectativa de que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) mantenha as taxas de juros mais elevadas durante mais tempo ameaça sufocar as negociações dos papéis do setor, diminuindo potencialmente as perspectivas para índices como o S&P 500, que são fortemente influenciados pela tecnologia.

Isso porque o entusiasmo dos investidores pelas ações tecnológicas foi alimentado não apenas pela inovação nas empresas de software e hardware, mas também pelas taxas de juro ultrabaixas que tornaram os lucros futuros prometidos por essas empresas especialmente valiosos. Nesse cenário, investidores estavam dispostos a pagar múltiplos mais elevados em relação aos lucros de curto prazo de uma empresa de tecnologia para participar do seu crescimento futuro.

Os cálculos mudaram no ano passado, quando o Fed começou a aumentar agressivamente as taxas de juro numa tentativa de controlar a inflação. No final de 2022, o setor tecnológico do S&P 500 tinha caído 29%, tornando-se mais barato em relação aos lucros e apresentando um desempenho inferior ao do índice S&P 500 pelo primeiro ano desde 2013.

Neste ano, a empolgação com os avanços na inteligência artificial e as apostas de que o Fed começaria a cortar as taxas mais cedo ou mais tarde fizeram com que as ações de tecnologia voltassem a subir.

Mas uma tendência teimosa nos dados de inflação e uma economia surpreendentemente resiliente adiaram a data em que os mercados esperam cortes nas taxas, fazendo com que investidores olhem com ceticismo renovado para os valuations das empresas líderes do mercado.

Na sexta-feira, os investidores previam uma possibilidade de 57% de o Fed baixar os juros dos Estados Unidos em junho de 2024. Um mês atrás, essa probabilidade era de 81%, segundo a ferramenta FedWatch do CME Group.

O período prolongado de juros altos pode ser problemático para as ações, especialmente as que são consideradas caras - e o avanço nos preços desde o início do ano deixou o setor de tecnologia nesta situação, comparadas com o histórico.

No final da semana passada, o setor de tecnologia da informação operava a 25,5 vezes o lucro esperado para os próximos 12 meses, ante 20 vezes no final do ano passado e acima da média dos últimos 10 anos, de 18,5 vezes, de acordo com a FactSet.

O S&P 500, por sua vez, operava a 18,9 vezes o lucro futuro, de 16,8 vezes no final de dezembro e acima da média dos últimos 10 anos, de 17,7.

A Nvidia era precificada em 31,7 vezes o lucro projetado, múltiplo menor que o do início do ano porque o mercado elevou as estimativas de lucro ainda mais rápido do que o aumento no preço das ações, que triplicou. A Microsoft operava a 29,9 vezes o lucro futuro, enquanto a Apple estava em 26,9 vezes.

A Amazon operava a 50,1 vezes o lucro previsto, e a Tesla a 63,8 vezes.

"Os mercados estão simplesmente esticados demais", disse David Bahnsen, diretor de investimentos do Bahnsen Group, uma gestora de patrimônio. "Há muita euforia com as sete grandes de tecnologia." Fonte: Dow Jones Newswires

Deixe seu comentário

Só para assinantes