Possibilidade de petróleo a US$ 100 o barril é desafio para BCs no combate à inflação

Um aumento quase ininterrupto dos preços do petróleo empurrou o petróleo de referência Brent para perto dos US$ 100 por barril, representando um novo desafio para os bancos centrais na sua batalha contra a inflação.

A alta é uma vitória para a Arábia Saudita, que procurou reforçar os preços para financiar uma transformação planeada da sua economia dependente do petróleo. A Rússia, que depende dos rendimentos energéticos para financiar a sua guerra contra a Ucrânia é outro vencedor.

Níveis recordes de demanda de petróleo - alimentados por uma força econômica inesperada - ultrapassaram a produção. Como resultado, os comerciantes e as refinarias de petróleo estão esgotando rapidamente as reservas de petróleo. Muitos analistas esperam que os preços continuem a subir, o que contribuiria para contas de combustível mais elevadas, uma inflação mais rápida - e, potencialmente, taxas de juro mais elevadas.

A subida dos preços do petróleo traduz-se na inflação de outros bens e serviços. Isso poderia sustentar as pressões sobre os preços e ao mesmo tempo desacelerar a economia - o cenário que o Federal Reserve (Fed) e os investidores esperam evitar.

Os preços da gasolina saltaram para uma média nacional de US$ 3,88 o galão nos EUA, de acordo com a AAA, ante US$ 3,68 um ano atrás. Os custos do gás aumentaram quase 11% apenas entre julho e agosto, de acordo com o Bureau of Labor Statistics, impulsionando mais de metade da inflação global. Os preços do diesel dispararam, especialmente na Europa. As refinarias de lá estão famintas de petróleo bruto saudita e russo, rico em diesel.